Ir para o Topo

Coluna Pró-Bono

Pequenas ações que fazem grande diferença na vida das pessoas e da comunidade a que pertencem.

Erradicação de estereótipos

O Grupo Pão de Açúcar (GPA) é o primeiro varejista alimentar brasileiro a formalizar um compromisso com a Aliança Sem Estereótipo (Unstereotype Alliance), da ONU Mulheres, que reúne uma coalizão global de empresas líderes de mercado. O objetivo comum do grupo é eliminar de sua publicidade preconceitos e estereótipos de gênero.

A Unstereotype Alliance é uma plataforma de pensamento e ação que usa a publicidade como força para impulsionar mudanças positivas. Ela está focada em fomentar a igualdade no ambiente de trabalho, alcançar a publicidade livre de estereótipos e empoderar ações públicas.

Pesquisa realizada pela Ipsos, em 2018, em 28 países, revela que 72% dos respondentes disseram que “a maioria dos anúncios não reflete o mundo ao meu redor”, quase metade dos consumidores (45%) ainda vê anúncios sexistas que os ofendem e 64% dos consumidores sentem que os anunciantes precisam fazer mais para eliminar tradicionais e antigos papeis de gênero dos seus anúncios.

Banheiros mudam vidas

A marca de papel higiênico e lenços umedecidos Neve, da multinacional americana Kimberly-Clark, recebe, até o próximo dia 25, inscrições de projetos de empreendedorismo social com foco no desenvolvimento de soluções em saneamento básico. Serão aceitas participações vindas de todo o território nacional. Os empreendedores cadastrados serão avaliados por uma equipe multidisciplinar formada por membros do Sense-Lab, da Kimberly-Clark e do Instituto Iguá e por Camila Farani, investidora-anjo e embaixadora desta edição.

“O saneamento básico é um problema sério que atinge milhões de pessoas no Brasil e sabemos que, para conseguirmos mudar este cenário ainda precário no país, o envolvimento do setor privado também é relevante”, diz Patricia Menezes, Diretora de Family Care da Kimberly-Clark.

O programa, que é parte da campanha global “Banheiros Mudam Vidas”, irá selecionar 12 candidatos para participar presencialmente de uma oficina em São Paulo, nos dias 8 a 10 de outubro, com custos de passagem e hospedagem financiados por Neve.  As iniciativas selecionadas passarão por aceleração de 5 meses com mentores especializados, incluindo workshops presenciais e reuniões periódicas.

Ao final do processo, todos serão avaliados por uma banca de profissionais do setor que irá premiar os quatro grandes finalistas com um capital-semente de R$ 50 mil cada e mais seis meses de mentoria adicional. Os critérios de seleção serão: maturidade da iniciativa (estrutura e dedicação da equipe, resultados prévios, protótipos e pilotos executados, entre outros) e capacidade de entrega dos resultados e financeiro (impactos, modelo de negócio, propósito e proposta de valor).

Para inscrever-se: www.banheirosmudamvidas.com.br/desafio

Responsabilidade social 2019

Iniciativas com foco em inclusão e diversidade e que ajudem a fomentar a economia circular, têm até o dia 13/09 para se inscrever para o edital de Responsabilidade Social da Dow Chemical no Brasil.  Serão aceitas ações com foco em iniciativas cruciais para a empresa e que busquem equilibrar e qualificar oportunidades de participação econômica, política, educacional e social de mulheres, pessoas com deficiência, comunidade LGBTQ+ e afrodescendentes. Também serão considerados projetos de economia circular que promovam soluções mais sustentáveis, como reciclagem, educação ambiental e logística reversa, especialmente nas áreas de plástico e embalagem.

Os projetos selecionados devem iniciar em 2019, ou no primeiro semestre de 2020, em pelo menos um dos seguintes municípios: Breu Branco (PA), Candeias e Ilha de Matarandiba – Vera Cruz (BA), Guarujá (SP), Hortolândia (SP), Jacareí (SP), Jundiaí (SP), Santa Vitória (MG) e Santos Dumont (MG). A inscrição é gratuita e poderá ser feita no site: http://editaldow2019.prosas.com.br.

Diversidade no setor jurídico

A Unilever acaba de trazer para o Brasil o “Manifesto pela Diversidade e Inclusão no Mercado Jurídico”, iniciativa que tem como objetivo promover a pluralidade em toda a cadeia de valor da área jurídica. Em evento de lançamento realizado no último dia 2, mais de 20 empresas, instituições e associações se tornaram signatárias do compromisso. Unilever, Bayer, Pernod, Google, GPA, Natura, PepsiCo, ABA, MM360 e Faculdade Zumbi dos Palmares foram algumas delas. O manifesto foi lançado em março, na Europa, e já conta com mais de 80 parceiros. As empresas que assinaram o manifesto se comprometem, entre outras coisas, a incentivar maior diversidade e inclusão em seus negócios e cooperar para promover esses valores em todos os setores da profissão jurídica e na comunidade empresarial em geral.

Se as empresas respeitarem o compromisso assinado, será possível acabar – ou ao menos diminuir – com as diferenças raciais e de gênero no ambiente jurídico que foram evidenciadas no Censo Jurídico 2018, conduzido pela FGV Direito SP/CEERT. O levantamento mostrou que a participação de negros e mulheres nessa área é bem menor que a de homens e mulheres brancos e que as diferenças na ocupação de cargos de liderança de salários entre gênero e raça são grandes. Enquanto 18,1% dos homens recebem mais do que 20 salários mínimos, apenas 8,7% das mulheres se encontram neste patamar. E 24,4% dos brancos possuem rendimentos de 5 a 10 salários mínimos, enquanto apenas 18,4% dos negros estão nessa faixa de rendimentos.

Moda sustentável

A pegada de carbono deixada pela indústria da moda é alarmante. A produção de uma camiseta básica gasta 2.000 litros de água, enquanto a de uma única calça jeans, 11 mil litros. Considerando que são produzidas 80 bilhões de peças de roupa por ano e que o Brasil é o quarto maior produtor de confecção do mundo, dá para imaginar o quanto de recursos naturais é consumido por esse setor. A estilista e consultora de moda Alessandra Ponce Rocha faz esse alerta em seu livro “Alinhavos – O Futuro do Planeta está no seu Guarda-Roupa”,da editora Panda Books, e mostra como o consumo de moda deve ser equilibrado e responsável em nossas vidas.

Com uma linguagem simples, voltada para crianças, a autora passeia pela história das roupas, pelo processo de criação do vestuário e pelo impacto causado pela indústria da moda no meio ambiente, dando dicas do que cada um pode fazer para praticar o consumo consciente. Ela ainda incentiva os pequenos a organizar campanhas temáticas de doação de peças do vestuário e feiras de trocas de roupas, estimulando atitudes sustentáveis já na infância. “Moda e sustentabilidade parecem dois conceitos que não combinam, já que a moda sempre nos dá a ideia de algo passageiro, descartável. Nós só precisamos ser seletivos na hora da escolha. Não podemos esquecer que nossos recursos naturais são esgotáveis e precisamos fazer bom uso deles para que as futuras gerações não sofram”.

Liderança feminina

Mulheres, empresas e ONGs de todo o Brasil que exerçam alguma ação para o empoderamento de meninas e mulheres e promoção da equidade de gênero podem se inscrever na terceira edição do Prêmio CEBDS de Liderança Feminina. São quatro categorias que contemplam representantes da iniciativa privada, governo e terceiro setor: Empresas Associadas, Iniciativa Novas Líderes, Voto Popular e Projeto Social.

A iniciativa é do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), que representa 60 dos maiores grupos empresariais do país e promove a sustentabilidade ambiental e social com base nos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas. A premiação visa a impulsionar no Brasil o cumprimento do objetivo 5, que tem como meta alcançar a igualdade de gênero e promover a participação de todas as mulheres e meninas até 2030.

Aprendizagem

A EMS, maior laboratório farmacêutico do Brasil, acaba de selar parceria com o Instituto Ayrton Senna, para ampliar as oportunidades de aprendizagem de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. A empresa passou a apoiar os projetos educacionais que o Instituto mantém em escolas públicas de todo o Brasil. Em 2018, os projetos beneficiaram cerca de 1,6 milhão de crianças e jovens, capacitaram 62 mil professores e impactaram 455 municípios em 15 Estados brasileiros.

“Apostamos no investimento contínuo no futuro das nossas crianças e jovens e na ampliação do acesso à educação pública de qualidade a parcelas menos favorecidas da sociedade como forma de construirmos o Brasil que tanto desejamos. Entendemos a nossa responsabilidade nesse processo como um todo e continuaremos fazendo a nossa parte, diferenciando os esforços em educação”, diz Josemara Tsuruoka, gerente de Marketing Institucional da SEM.

Referência internacional

O Programa de Educação Ambiental (PEA) Campo Limpo, desenvolvido pelo inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), foi selecionado como uma boa prática e caso de sucesso pelo Departamento das Nações Unidas de Assuntos Econômicos e Sociais (United Nations Department of Economics and Social Affairs – UN DESA).

Iniciativa de educação voltada para alunos de 4º e 5º anos do Ensino Fundamental, o PEA é parte das ações de educação e conscientização do inpEV, entidade gerenciadora do Sistema Campo Limpo (programa de logística reversa de embalagens vazias de defensivos agrícolas). Seus resultados e impactos positivos foram publicados na plataforma de parcerias pelo desenvolvimento sustentável das Nações Unidas (https://sustainabledevelopment.un.org/partnership/?p=30200 ).

Todo ano, o programa distribui gratuitamente milhares de kits educacionais para escolas de todo o país, a fim de conscientizar professores e alunos sobre a responsabilidade compartilhada no gerenciamento de resíduos sólidos. Entre 2010 e 2019, cerca de 1,6 milhão de estudantes foram beneficiados. Este ano, foram distribuídos 9 mil kits educativos para 2,5 mil escolas públicas e privadas, dando suporte em temas alinhados à Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS) e aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs).

#PraCegoLer

A Kibon, marca líder no mercado de sorvete, passou a colocar nas embalagens dos sorvetes da linha Cremosíssimo a transcrição em Braile dos sabores e da marca. O projeto é realizado em parceria com a Fundação Dorina Novill para Cegos, organização sem fins lucrativos que se dedica à inclusão social de pessoas com deficiência visual, e vai ser estendido para todos os produtos do portfólio da Kibon. “Queremos facilitar e fomentar a inclusão social e contribuir para que a rotina dos deficientes visuais seja mais acessível”, diz Ernesto Viramontes, diretor de marketing da Kibon.

Anônimos do Bem

A Sompo Seguros, empresa do Grupo Sompo Holdings, lançou a série Anônimos do Bem como parte de sua política de incentivo às causas sociais e ambientais. Por meio de postagens quinzenais no Instagram, a seguradora apresenta pessoas que, mesmo sem grandes holofotes, desenvolvem atividades voltadas à cidadania, educação e meio ambiente para contribuir com uma sociedade mais justa, consciente e igualitária.

A série Anônimos do Bem conta a história de seis pessoas engajadas em causas relacionadas à sustentabilidade, educação e conscientização ambiental e consumo consciente, entre outros. A As histórias começaram a ser postadas em maio no Instagram da Sompo Seguros (@sompo.seguros). “Ao trazer à luz essas histórias, a Sompo pretende empoderar as pessoas que, com o seu exemplo, contribuem para que a população tenha mais qualidade de vida”, destaca Andre Gouw, gerente de Comunicação e Marketing da seguradora.

Guardiões do futuro

A associação beneficente Guardiões do Futuro, do Grupo Tree Part, holding de inovação digital, vai ajudar a ampliar projeto social mantido pelo ex-levantador da seleção brasileira de vôlei masculina Ricardinho. O campeão olímpico e mundial mantém na cidade de Maringá, no Paraná, o Núcleo de Vôlei Ricardinho (NVR), onde dá aulas gratuitas, profissionais e de fundamentos de vôlei, para crianças e jovens de 8 a 18 anos.

O NVR foi lançado há dois anos e tem como missão proporcionar o desenvolvimento de crianças e adolescentes por meio de trabalhos baseados na progressão física, intelectual, emocional e social. Com 11 profissionais, incluindo preparador físico e técnico, o projeto beneficia cerca de 400 alunos de quatro escolas públicas do município e do clube dos bancários da Caixa Econômica Federal.

Coleta responsável

A startup Green Mining, que cria soluções em reaproveitamento de embalagens, coletou 1 tonelada de vidro e 350 kg de papelão que foram descartados durante o evento Vinhos de Portugal, realizado em São Paulo, no começo de junho.

O material foi levado para uma central de coleta e devolvido à cadeia produtiva. “Estamos sempre buscando soluções eficientes para promover a diminuição do desperdício, a destinação correta dos resíduos e a utilização de materiais renováveis, resultando na preservação do meio ambiente”, diz o CEO da empresa Rodrigo Oliveira.

O Vinhos de Portugal é o maior evento sobre vinhos no Brasil e, nesta edição, reuniu especialistas, 75 produtores e mais de 600 rótulos da bebida.

Inclusão social

A B2W, dona das marcas Americanas.com, Submarino, Shoptime e Sou Barato, está com vagas abertas para pessoas com deficiência. As oportunidades fazem parte do Projeto Somar, mantido pela empresa para promover a inclusão social, a diversidade e a igualdade de oportunidades. Informações e inscrições no site da iniciativa: http://somos.b2wdigital.com/programa-somar/.

Voluntariado global

Para contribuir e apoiar comunidades em situação de vulnerabilidade dos 120 países em que atua, a corretora global de seguros Aon dedicou neste mês um dia inteiro a ações de voluntariado. Conhecida globalmente como Aon United Day for Communities, a iniciativa contou, no Brasil, com a participação de 470 funcionários da empresa, que doaram sangue, mechas de cabelo, visitaram instituições filantrópicas e realizaram a distribuição de agasalhos e alimentos a moradores de rua.

As ações aconteceram, simultaneamente, em São Paulo, Campinas, Porto Alegre, Curitiba, Salvador, Rio de Janeiro e Belo Horizonte e tiveram mais de 2.400 beneficiados. Estima-se que foram arrecadados pelos funcionários da empresa mais de 6.500 itens, incluindo roupas, alimentos, materiais de higiene pessoal e farmacêuticos.

Programa de alimentação assistida 

Se encerra no próximo dia 28 o processo seletivo da Fundação Salvador Arena para o Programa de Alimentação Complementar para Entidades Sociais (Paces), que destinará apoio a 22 ONGs que atuam nas áreas de Educação e Assistência Social nos municípios da Região Metropolitana de São Paulo e da Baixada Santista.

ONGs interessadas em participar devem preencher formulário de inscrição no site da Fundação (www.fundacaosalvadorarena.org.br) e enviar lista de usuários e cardápio. O apoio financeiro é de até R$ 50 mil e será calculado com base no número de pessoas atendidas, na quantidade de refeições oferecidas e no nível de complexidade dos serviços prestados pela ONG.

O Paces oferece ainda apoio financeiro e assessoria técnica para gestão, captação de recursos e elaboração de projetos sociais a ONGs que atuam na área de assistência social.

Programa de alimentação assistida

Se encerra no próximo dia 28 o processo seletivo da Fundação Salvador Arena para o Programa de Alimentação Complementar para Entidades Sociais (Paces), que destinará apoio a 22 ONGs que atuam nas áreas de Educação e Assistência Social nos municípios da Região Metropolitana de São Paulo e da Baixada Santista.

ONGs interessadas em participar devem preencher formulário de inscrição no site da Fundação (www.fundacaosalvadorarena.org.br) e enviar lista de usuários e cardápio. O apoio financeiro é de até R$ 50 mil e será calculado com base no número de pessoas atendidas, na quantidade de refeições oferecidas e no nível de complexidade dos serviços prestados pela ONG.

O Paces oferece ainda apoio financeiro e assessoria técnica para gestão, captação de recursos e elaboração de projetos sociais a ONGs que atuam na área de assistência social.

Coleta seletiva

O Centro Universitário IESB, de Brasília, criou um projeto para aproximar catadores de lixo da sociedade e divulgar boas práticas que ajudam na coleta seletiva. O Projeto Fênix, que possui o selo Cátedra Unesco sobre os Desafios Sociais Emergentes, promove ações de conscientização em escolas e qualificação técnica nas cooperativas de catadores.

Os catadores recebem treinamentos sobre direitos sociais, segurança no trabalho e outros temas, com aulas ministradas por profissionais de cada área. O Projeto Fênix leva membros das cooperativas para ensinar aos estudantes como descartar corretamente o lixo, o que pode ou não ser reciclado e como lidar com materiais perigosos – como vidro – para evitar ferimentos nos catadores.

Espécies invasoras

O Instituto Brasileiro de Biodiversidade (BrBio) lançou uma ferramenta para reunir e disponibilizar registros de espécies exóticas invasoras marinhas. A Plataforma Brasileira de Bioinvasão traz, inicialmente, dados gerados pelas ações de monitoramento do Projeto Coral-Sol realizadas em diversos pontos da costa do Estado do Rio de Janeiro.

A bioinvasão representa um dos fatores que mais ameaçam a biodiversidade global. No Brasil, o coral-sol é um bioinvasor que compete com espécies nativas e produz substâncias químicas nocivas à flora e à fauna marinha locais, causando impactos ecológicos e socioeconômicos e prejudicando o ecoturismo, a pesca e a indústria petrolífera.

“Essa plataforma é uma ferramenta valiosa para o combate à bioinvasão no Brasil e um desejo antigo do Projeto Coral-Sol”, explica Fernanda Casares, coordenadora do projeto. “Ao longo do tempo, vamos incluir registros das outras espécies exóticas invasoras marinhas no Brasil por meio da colaboração com centros de pesquisa e de outras contribuições externas”.

Lâmpada velha por lâmpada nova

A startup Yesfurbe quer reduzir o descarte de lixo eletrônico no Brasil. A empresa refabrica telefones celulares usados e os recoloca no mercado. Segundo Danilo Martins, um dos sócios, dá para reaproveitar até 80% de um smartphone. “É possível recuperar as características técnicas e estéticas do modelo original e colocá-lo à venda para um novo consumidor por um preço mais baixo que o de um novo”, explica ele. Dessa forma, a prática, além de diminuir o impacto negativo ao meio ambiente, também ajuda a tornar uma tecnologia de ponta mais acessível.

Estimativas do mercado mostram que cerca de 100 milhões de aparelhos são descartados anualmente, colaborando para o aumento do lixo eletrônico no mundo. O Brasil representa 1,4 milhão de toneladas desse descarte, que inclui metais pesados e altamente tóxicos como lítio, tântalo e cobalto.

Dia Mundial dos Oceanos

Em ação realizada durante o Dia dos Oceanos, no último dia 8, a Nestlé Brasil recolheu 4 toneladas de lixo de 21 cidades do país. Cerca de 1.200 voluntários coletaram 1.280 sacos de resíduos em uma caminhada ecológica que percorreu, ao todo, 105 km de ruas – 27 km somente em São Paulo. O lixo recolhido está sendo administrado pela Green Hub, empresa especializada na gestão de resíduos sólidos.

A iniciativa faz parte da campanha da Nestlé #oOceanoComeçaAqui, que tem como objetivo conscientizar sobre os impactos no mar do descarte incorreto do lixo nas cidades. A empresa assumiu o compromisso global de tornar 100% de suas embalagens recicláveis ou reutilizáveis até 2025.

Reciclagem de esponjas

A multinacional 3M vai instalar pontos de coleta de esponjas de limpeza doméstica nas 68 lojas do atacadista Makro espalhadas pelo Brasil. A parceria faz parte do Programa Nacional de Reciclagem da Scotch-Brite, iniciativa da TerraCycle que oferece um novo destino aos produtos usados de difícil reciclagem ou que não podem ser reciclados.

Os consumidores poderão levar aos pontos de coleta esponjas de qualquer marca e tamanho para que seja feito o descarte ambientalmente correto. A esponja sintética não é reciclável nem compostável e vai direto para o aterro sanitário, onde passa centenas de anos tentando se decompor.

O programa também tem uma função social: a cada esponja enviada para a reciclagem, R$ 0,02 serão doados para instituições como Instituto Akatu, Vila Vicentina, Lar de São José, Associação Lugar de Amor e Restauração, Asilo Souza Lima e Casa de Assistência Victor Adriano.

Inspirando o bem

A Johnson’s iniciou, no último Dia das Mães, uma campanha para espalhar o bem e beneficiar crianças de ONGs parceiras. Com término previsto para o Dia dos Pais, esta é a maior ação social da empresa no Brasil. Mães, pais e cuidadores poderão se engajar e espalhar o bem por meio de uma mecânica simples envolvendo as redes sociais: a cada foto de seu filho de até 12 anos postada no Instagram, no Facebook ou no Twitter com a hashtag  #Purezaqueinspiraobem, 1 real será revertido para  as ONGs APAE de São Paulo, Aldeias Infantis SOS Brasil e Make-a-Wish Brasil.  O movimento busca engajar o maior número de pessoas possíveis, com o objetivo de alcançar 100 novos atendimentos, 100 infâncias cuidadas e 100 novos sonhos, respectivamente.

“Começamos este ano com uma grande transformação da marca, elevando o conceito de pureza com novas fórmulas, ainda mais puras e suaves com 0% sulfatos, 0% parabenos e 0% corantes. É a maior mudança da marca dos últimos 40 anos. Agora, inspirados por nossa missão de criar um mundo onde todo bebê possa prosperar, estamos iniciando um movimento para espalhar o bem, que parte de uma mecânica muito simples e pode contribuir com o futuro de muitas crianças brasileiras” afirma Ana Paula Fischer, grouper de Marketing de Johnson’s, na Johnson & Johnson Consumo do Brasil.

 

Relações responsáveis

A Diageo, líder mundial na produção de bebidas alcoólicas premium e dona das marcas Ypióca, Smirnoff, Johnnie Walker, Ciroc e Tanqueray, lançou no Ceará o Instituto Diageo, entidade sem fins lucrativos que promoverá ações nas áreas de educação, capacitação profissional, geração de renda e responsabilidade na relação entre álcool e sociedade. O braço social da empresa investirá R$ 2 milhões até o final deste ano e pretende impactar mais de 80 mil pessoas no Estado com essas iniciativas.

“A Diageo tem longo histórico de investimento social no Brasil, com programas de destaque, como o de formação de bartenders e o Programa Ypióca de Artesanato. O lançamento do Instituto Diageo é a evolução desse trabalho, pois profissionaliza, amplia, fortalece e cria novos programas trabalhando em parceria com ONGs e com o setor público”, explica Daniela de Fiori, diretora de Relações Corporativas da Diageo e presidente do Conselho do Instituto Diageo. Segundo ela, mais de 20 mil pessoas já foram impactadas no Brasil pelos programas sociais da companhia britânica.

 

Impacto socioambiental

Ficam abertas até o próximo dia 27/05 as inscrições para o Programa Inovativa Impacto (http://www.inovativabrasil.com.br/inovativa-de-impacto/), cujo objetivo é conectar investidores e grandes empresas a startups que desenvolvam soluções socioambientais inovadoras.  Pode inscrever-se qualquer empresa de base tecnológica ou com modelo de negócios diferenciado e que tenha a missão de gerar impacto positivo e lucros.  As 40 startups selecionadas terão, a partir do dia 27 de junho, quatro meses de capacitações online, mentorias individuais e coletivas com executivos e investidores especializados no tema e eventos de conexão com entidades e aceleradoras. Ao final do ciclo, 20 empresas serão selecionadas para participar do Bootcamp Nacional InovAtiva Brasil 2019 e do Demoday.

Mais ética no mundo

Neste ano, em que completa 50 anos de existência, a Natura foi reconhecida como uma das empresas mais éticas do mundo, entre as 128 listadas pelo Ethisphere Institute, líder global na definição de padrões para práticas éticas nos negócios. A empresa brasileira consta na lista pela nona vez na categoria Saúde & Beleza. A avaliação das empresas mais éticas do mundo é baseada na estrutura Ethics Quotient (EQ) do Ethisphere Institute, uma maneira quantitativa de avaliar o desempenho de uma empresa de forma objetiva e padronizada. As pontuações são geradas em cinco categorias principais: programa de ética e conformidade (35%), cultura de ética (20%), cidadania e responsabilidade corporativa (20%), governança (15%) e liderança e reputação (10%).

A indústria no foco social

O Projeto Centro de Esporte e Educação, realização da Firjan SESI em convênio com a Petrobras, é um bom exemplo de como as empresas podem investir em negócios de impacto social junto a comunidades de baixa renda. A ação de reforço escolar, com braços em esporte e cultura, ajuda no processo de aprendizagem, facilita o acesso ao lazer, mitiga cenários de violência e fortalece políticas sociais, além de gerar percepção de valor para a empresa patrocinadora.

Este ano, o Projeto beneficia 120 alunos em Macaé e 270 em Duque de Caxias. Teatro, música, aulas de reforço e esporte agora fazem parte do dia a dia de crianças e adolescentes. O reforço inclui aulas de português e matemática e contribui para a melhoria do desempenho escolar dos estudantes. As aulas utilizam a metodologia da Firjan SESI Matemática, que trabalha a disciplina de uma nova forma, utilizando dinâmicas e jogos digitais e manuais.

Mulher entra

Bradesco, Itaú e BB Seguridade – empresa de seguros do Banco do Brasil – passaram a figurar no Índice de Igualdade de Gênero 2019 do Bloomberg Financial Services Gender-Equality Index (BFGEI). Composto por 230 empresas de 36 países, mais do que o dobro do ano passado, a nova edição do ranking listou companhias com atuação nos setores financeiro, energia, tecnologia, indústrias de base, bens de consumo, alimentício e comunicação.

O BFGEI reconhece empresas que criam ambientes de trabalho que apoiam a equidade de gênero, o desenvolvimento da comunidade e trabalham para oferecer produtos e serviços com consciência de gênero. O Bradesco conta com 49.682 mulheres em seu quadro de funcionários, o equivalente a 51% do total. Entre elas, 30.980 ocupam posição de chefia ou cargos comissionados, inclusive na Diretoria e no Conselho de Administração.

Passo adiante

A SulAmérica, maior seguradora independente do País, está ampliando seu espectro na área cultural e já figura entre as apoiadoras da Companhia Brasileira de Ballet (CBB), do Rio de Janeiro, e da Escola de Dança do Theatro Municipal de São Paulo. Os beneficiados são cerca de 850 alunos, de oito a 23 anos, que, embora iniciantes, já impressionam pela graça de movimentos no palco.

Criada em 1967 e formada inicialmente por bailarinos do Theatro Municipal do Rio de janeiro, a CBB estreou no Teatro Novo (antigo Teatro da República, hoje sede da TV Brasil – RJ) e, nestes 52 anos, já realizou grandes espetáculos do repertório clássico, como Giselle e Quebra-Nozes.

Já a Escola de Dança do Theatro Municipal de São Paulo é há mais de 78 anos o principal centro de ensino de dança do município, com cursos gratuitos oferecidos a crianças, jovens e adultos.

Curso do terceiro setor

A Fundação Demócrito Rocha abriu inscrições para o curso Livre Responsabilidade Social e Sustentabilidade, que será realizado no sistema de Ensino à Distância (EAD) pela Universidade Aberta do Nordeste (Uane). Com carga horária de 40 horas, o curso é dirigido para gestores (das esferas pública e privada), empresários (do segundo e terceiro setores), integrantes da sociedade civil organizada, professores e alunos interessados na área de responsabilidade social e sustentabilidade.

A Força da união

O Programa A União Faz a Vida (PUFV), iniciativa de responsabilidade social do Sicredi – instituição financeira cooperativa com atuação em 22 estados e no Distrito Federal –, atuou em 1.908 escolas em 2018, impactando 284.604 crianças e adolescentes em 369 municípios de sete estados brasileiros.

O programa é coordenado pela Fundação Sicredi, em conjunto com as Centrais e Cooperativas, e tem por objetivo manter viva a essência do cooperativismo. Iniciativas por meio de programas como o Crescer, Pertencer, A União Faz a Vida, Centro de Informação & Memória e o Cultura e Sustentabilidade buscam promover a melhoria na qualidade de vida de associados e seu desenvolvimento local.

Os melhores da turma

No ano em que completa 25 anos de existência, o Instituto da Criança alçou mais uma posição na avaliação da organização suíça NGO Advisor. Agora ocupa a 79a posição entre as 500 melhores ONGs do mundo. O ranking reconhece as ONGs que se destacam pelas melhores práticas de gestão e, além de apontar a importância do trabalho realizado pelas organizações não governamentais, incentiva a pesquisa e o debate sobre o impacto dos projetos sociais realizados ao redor do planeta. Participam dele milhares de instituições de diferentes países, e os avaliadores internacionais seguem rigorosos critérios técnicos. Nos últimos 10 anos, o Instituo da Criança arrecadou 516.831 itens materiais, incluindo livros, brinquedos, roupas, eletrodomésticos e material escolar. Além disso, aproximadamente 100.000 atendimentos já foram realizados, contemplando crianças, adolescentes, adultos e idosos.

Redenção pela leitura

Uma pesquisa realizada no Distrito Federal, que revelou que os presidiários leem nove vezes mais do que a média nacional, de menos de cinco livros por ano, foi o leitmotiv do projeto Resenha Livre da Editora Carambaia, com criação da Artplan. Dezenas de livros da editora foram doados para o Centro de Progressão Penitenciária de Hortolândia, onde a educadora Elisande de Lourdes Quintino de Oliveira conduz rodas de leitura e de produção de textos críticos entre os detentos. Os textos produzidos por eles foram utilizados em diversos materiais de comunicação da editora, como anúncios de revista, pôsteres em livrarias, posts em redes sociais, spots de rádio, marcadores de livros, entre outros.

Um minidocumentário (https://goo.gl/aUMutX) mostra a experiência dos presos participantes do projeto, com depoimentos de como tiveram suas vidas e pensamentos mudados com esta ação.

Após Recomendação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), presos de todo o País têm tido oportunidade não apenas de ler os mais variados títulos como também de produzir resenhas desses livros. Cada uma dessas resenhas é avaliada por uma comissão e pode resultar em quatro dias de remição da pena.

Bê-á-bá ambiental

Um projeto-piloto de educação ambiental está sendo desenvolvido junto a 755 alunos em duas escolas da rede pública de Jacareí, no interior de São Paulo, por meio de atividades de sensibilização sobre a importância da preservação do meio ambiente e da mudança de hábitos das duas instituições.

O projeto, que tem o apoio da Fibria – líder mundial na produção de celulose de eucalipto a partir de florestas plantadas – em parceria com o Núcleo de Educação Ambiental da Secretaria Municipal de Meio Ambiente do município, já rendeu sete encontros durante o primeiro semestre, entre professores, responsáveis e os próprios alunos.

Desde setembro, oficinas práticas estão sendo desenvolvidas no Núcleo de Educação Ambiental da Fibria (NEA) para contribuir com o desenvolvimento do perfil sustentável da escola. No local será realizada oficina de papel artesanal, para diminuir os resíduos produzidos na escola, e uma oficina para melhorar a qualidade de tinta utilizada pelos alunos, pensando no baixo custo da técnica.

Fundo de Direitos Difusos

O Grupo Carrefour lançou em outubro, em São Paulo, o movimento Act For Food, projeto global da rede para ampliar o acesso do consumidor a alimentos saudáveis e de qualidade. A iniciativa faz parte do plano “Carrefour 2022”, anunciado na França no início de 2018 e tem como fundamento a “transição alimentar”, estimulando a produção e consumo de alimentos produzidos com responsabilidade socioambiental e com preços justos.

O movimento Act For Food ocorre em todos os países onde o Grupo Carrefour opera e se processa dentro de toda a cadeia da rede francesa, entre os consumidores e fornecedores, das áreas de produção às prateleiras.
Para isso, o Carrefour elegeu especialistas reais que, diariamente, garantem a qualidade, frescor e a segurança dos alimentos comercializados pela rede. Batizado de “embaixadores”, esse time é composto por profissionais técnicos, especializados em frutas legumes e verduras, peixes, carnes, orgânicos, produtos saudáveis e marca própria.

Negras Potências

A Coca-Cola Brasil é apoiadora de primeira hora do Negras Potências, um matchfunding que tem como objetivo viabilizar projetos sociais liderados por mulheres negras. São 16 projetos no total, que buscam promover ações em três frentes: Empoderamento Econômico, Vida Livre de Violência e Educação, Cultura e Difusão de Informação. Toda a captação está sendo realizada pelo sistema de matchfunding, uma espécie de financiamento coletivo em que as doações feitas a cada projeto será duplicada graças a um fundo de R$ 500 mil disponibilizado pelo Movimento Coletivo, a plataforma de investimento social da Coca-Cola Brasil.

A moda é preservar

O Brasil acaba de entrar no “Índice de Transparência da Moda Brasil” (ITM), estudo que traz dados sobre como grandes marcas da indústria da moda divulgam informações de sua cadeia produtiva quanto a condutas e práticas socioambientais. O projeto conta com o Centro de Estudos em Sustentabilidade da FGV (FGVces) como parceiro técnico e com a Associação Brasileira do Varejo Têxtil (ABVTex) como apoiadora institucional.

O ITM existe globalmente desde 2016, mas somente este ano foi aplicado ao Brasil. Na primeira edição nacional foram selecionadas para análise as marcas Animale, Brooksfield, C&A, Cia. Marítima, Ellus, Farm, Havaianas, Hering, John John, Le Lis Blanc Deux, Malwee, Marisa, Melissa, Moleca, Olympikus, Osklen, Pernambucanas, Renner, Riachuelo e Zara. Produzido pelo Fashion Revolution, movimento que surgiu em 2013 após o desabamento do edifício Rana Plaza, que abrigava confecções têxteis em Bangladesh, o relatório mostrará as práticas empresariais das marcas, das condições de trabalho e dos impactos ambientais causados pela cadeia produtiva.

Cobaias nunca mais

A marca Dove, conhecida pelo tratamento da pele e dos cabelos humanos, está preocupada com os animais. A marca acaba de receber a certificação global da PETA – People for the Ethical Treatment of Animals – como sendo uma marca cruelty-free, ou seja, que não faz testes em animais em toda a cadeia de fabricação de seus produtos.

A partir de 2019, o selo de cruelty-free passa a fazer parte da comunicação e das embalagens dos produtos Dove. Como parte de seu acordo de apoiar a causa, a Unilever, dona da marca Dove, também fará parceria com a Humane Society International (HSI), organização global de proteção animal, para reforçar a iniciativa #BeCrueltyFree, cujo objetivo é divulgar reformas legislativas no mercado de beleza, proibindo testes em animais.

Doação magnética

Mais de 24 milhões de doações já foram realizadas em nove meses pelo Visa Causas, programa que possibilita aos consumidores brasileiros apoiarem causas sociais e instituições a cada pagamento realizado com cartões Visa, sem nenhum custo adicional. É a Visa quem faz a doação em nome do portador. Os cartões cadastrados no programa registraram um aumento de 12% no número de transações.

A mecânica é simples: basta acessar o site do programa
www.visa.com.br/causas, informar o número do cartão Visa e escolher a causa ou a instituição para a qual deseja que seja feita a doação. A partir daí, para todo pagamento realizado com esse cartão a Visa fará uma doação para a instituição ou para a causa que o portador escolheu.

Todos os participantes podem acompanhar no site do programa os valores que cada uma das instituições e causas já receberam. Os números são atualizados constantemente. Além disso, o programa conta também com uma auditoria independente que avalia semestralmente o repasse dos recursos e como eles estão sendo aplicados pelas instituições beneficiadas.

Milhas parceiras

O Milhas do Bem, programa de Responsabilidade Social da Smiles, ultrapassou, em julho, a marca de 50 milhões de milhas arrecadadas. Com um ano de existência, o programa atua nas áreas de educação, esporte e empreendedorismo, em parceria com sete instituições: Junior Achievement, Fundação Dom Cabral, Instituto Reação, Parceiros Voluntários, ESPM Social, Rede Cruzada e PROA.

O programa funciona assim: a cada milha doada pelo cliente, a Smiles doa outra milha. As milhas são convertidas em dinheiro, que é repassado às instituições parceiras. Entre as formas de doação estão a escolha de um projeto específico; arredondar o valor da compra no Shopping Smiles ou participar de campanhas incentivadas, como o movimento #diadedoar, realizado em 2017. Nesta campanha, a empresa oferecia bônus aos clientes que transferiram pontos do cartão de crédito para a
Smiles, sendo que parte desse bônus era revertida para o Milhas do Bem.

Sorriso do Bem

A Fundación Mapfre, braço de Responsabilidade Social do Grupo Mapfre, premiou, em junho deste ano, o projeto brasileiro “O Dentista do Bem”, da ONG Turma do Bem, na categoria Melhor Iniciativa em Ação Social. O projeto contribui para que crianças e jovens, com idades entre 11 e 17 anos, sem recursos financeiros, possam tratar gratuitamente dos seus dentes.

Mais de 840 iniciativas de todo o mundo foram inscritas no prêmio da Mapfre, incluindo projetos brasileiros. No total, a verba global dos prêmios é de 150 mil euros, que foi entregue em cerimônia presidida pela Rainha Sofía, da Espanha.

Os dentistas da Turma do Bem somam aproximadamente 17 mil profissionais voluntários que atendem a mais de 71 mil jovens em 14 países. A missão é simples, melhorar a saúde bucal de crianças e adolescentes por meio de campanhas educativas e ações de prevenção. Em Araraquara são cerca de 70 profissionais cadastrados na entidade. Mais de 1.500 municípios brasileiros têm pelo menos um dentista cadastrado no programa.

Vale quanto pesa

A Vale anunciou, em junho, os 15 projetos selecionados na edição 2018 do Programa Comunidade Participativa (PCP) que receberão aporte total de R$ 200 mil. Desde 2006, a Vale já investiu mais de R$ 2,4 milhões no PCP, beneficiando 80 organizações sociais e cerca de 20 pessoas.

O PCP, que este ano está em sua 12a edição, oferece apoio financeiro a organizações que atuam no Mato Grosso do Sul, nas áreas de Capacitação Profissional, Geração de Trabalho e Renda e Promoção e Proteção Social, nos municípios de Corumbá e Ladário. Os projetos foram apresentados e defendidos pelas instituições e em seguida votados pelo próprio grupo.

O evento de escolha contou com apresentações do Instituto Moinho Cultural Sul-Americano, instituição que recebe patrocínio da Vale há 13 anos, via lei de incentivo à cultura (Lei Rouanet), e do Coral Vale, que cantou uma música com letra especialmente feita para a
12a edição do PCP.

Fundo de Direitos Difusos

O Fundo de Direitos Difusos da Paraíba (FDD-PB) recebeu 20 projetos de instituições públicas, organizações sociais e de pessoas físicas, totalizando R$ 3,9 milhões, para custear ações que beneficiem grupos sociais, no estado da Paraíba. As iniciativas englobam áreas como infância e juventude, cidadania, patrimônio social e ambiente natural. Cada projeto selecionado poderá receber até R$ 200 mil.

O FDD é um fundo de natureza contábil, vinculado ao Ministério Público da Paraíba, criado pela Lei 8.102/2006 e administrado por um conselho gestor. Seu objetivo é arrecadar e gerir recursos financeiros advindos do pagamento de multas por descumprimento de termos de ajustamento de conduta (TACs) ou decisões judiciais. O FDD tem mais de R$ 3,5 milhões em caixa e nunca houve liberação de recursos, desde 2013, quando foi criado. Este ano, o Conselho Gestor deliberou alterações das normas que regem o fundo para permitir que boas iniciativas sociais sejam contempladas.

Pezinhos vermelhos

Com o lema “A criatividade como impulsor de mudanças”, a Fundación Prosegur e a Fundación Amigos Museo del Prado desenvolveram aulas de iniciação à arte em 31 escolas do programa de Cooperação ao Desenvolvimento Piecitos Colorados (Pezinhos Vermelhos), que o Grupo Prosegur promove em sete países da América Latina, em comunidades vulneráveis, usando ferramentas e metodologias diferenciadas para educação. No Brasil, 220 alunos de quatro escolas nas cidades de Belford Roxo (RJ), Águas Lindas de Goiás (GO), Olinda (PE) e Pouso Alegre (MG) conseguiram aprender mais sobre arte a partir do envolvimento de 20 voluntários, todos colaboradores de diferentes áreas da Prosegur. Este ano, somaram-se ao projeto 57 alunos de Manaus (AM) e Teófilo Otoni (MG), que serão formados por 10 voluntários dessas cidades. Como inspiração e referência das aulas, foram usadas obras-primas do Museu do Prado, um dos maiores museus do mundo, localizado em Madri (Espanha).

Nota máxima

O curso de Engenharia de Alimentos da Faculdade de Tecnologia Termomecânica (FTT), do Centro Salvador Arena, acaba de receber a nota 5 na avaliação de Reconhecimento de Curso do Ministério da Educação (MEC). Recentemente, o curso Engenharia de Controle e Automação também foi reconhecido com a nota máxima pelo Ministério.

Instituição de ensino superior privada, que desde 2002 oferece formação gratuita, a FTT recebeu nota máxima nos três âmbitos avaliados pelo MEC: corpo docente, infraestrutura e organização didático-pedagógica. Com mais esse resultado, a FTT se consolida como uma das instituições pertencentes ao grupo de excelência do MEC, com nota 4, em uma escala que vai de 1 a 5, pelo oitavo ano consecutivo, no Índice Geral de Cursos (IGC), indicador de qualidade das instituições de ensino superior do país. Agora, três dos quatro cursos oferecidos pela FTT têm nota máxima pelo Ministério da Educação.

Proteção à natureza

A Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza está com inscrições abertas até 31 de agosto, em todo o País, para projetos que ofereçam medidas de conservação da natureza. Os editais da Fundação, que existem há 27 anos, dividem-se em três categorias: o Apoio a Projetos, que neste semestre será destinado a ações no ambiente costeiro-marinho; o Biodiversidade Paraná, restrito ao território estadual paranaense; e o Apoio a Programas, de temática livre e aberta, para todo o Brasil. Após optar por um edital, o proponente escolhe uma das linhas temáticas para inscrever seu projeto. São elas: Unidades de Conservação de Proteção Integral e RPPNs, Espécies Ameaçadas, Ambientes Marinhos e Soluções para a Conservação. As inscrições podem ser feitas até 31 de agosto pelo link, http://www.fundacaogrupoboticario.org.br/pt/
o-que-fazemos/editais/pages/apoio-projetos-linhas.aspx.

Impacto social na rede

Um aplicativo que ajuda a impedir a propagação da zika e da dengue. Um portal que liga jovens com grande potencial a cargos públicos de alto impacto. Um sistema que orienta agricultores a não desperdiçar água. Essas são algumas das ideias premiadas
na segunda edição do Desafio de Impacto Social do Google, que aconteceu em junho deste ano, na sede da multinacional, em São Paulo.

Idealizado pelo Google.org – departamento responsável por filantropia na empresa – o Desafio destinou R$ 10,75 milhões para projetos que usam a tecnologia para enfrentar problemas sociais. De 1.052 propostas, a companhia elegeu dois projetos vencedores por região para receber, inicialmente, R$ 650 mil. Além da verba, eles vão receber mentoria do Google e da organização Ponte a Ponte. No evento, cinco dessas ONGs foram escolhidas para ganhar a premiação máxima, de R$ 1,5 milhão.

Fechando a torneira do desperdício

A Embraco conseguiu reduzir, no ano passado, em 7,34% o consumo de água potável nas suas oito plantas espalhadas pelo mundo, a fim de contribuir com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Os ODS são uma agenda da ONU, adotada por 193 países, que buscam promover a prosperidade e o bem-estar da humanidade, enfrentando as mudanças climáticas e protegendo o meio ambiente. Para cada compressor produzido, foram utilizados 18 litros de água, dois a menos que em 2016, o que significa que os processos estão mais eficientes. Na prática, a companhia deixou de gastar 48 milhões de litros de água em seu processo produtivo, o suficiente para o consumo anual de 1.200 pessoas, levando em conta a média estabelecida pela ONU de que 110 litros por dia são suficientes para atender as necessidades básicas.

Brasileiras entre as mais sustentáveis do mundo

A Responsabilidade Social Corporativa pode não estar totalmente disseminada entre a maioria das empresas brasileiras, mas na comparação mundial o Brasil até que não faz feio. Das 100 empresas que adotam as melhores práticas de sustentabilidade corporativa no mundo, cinco são brasileiras: Natura, Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Banco do Brasil, Engie Brasil Energia e Banco Santander Brasil. Os dados fazem parte do ranking “As 100 empresas mais sustentáveis do mundo”, feito pela canadense Corporate Knights e divulgado anualmente desde 2005 no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

A seleção das mais sustentáveis do mundo é feita com base em indicadores que levam em conta emissões de gases tóxicos, consumo de energia e água, gestão de resíduos sólidos e investimentos em inovação, além de pagamento de impostos e igualdade de gênero e salarial entre os funcionários. Na seleção deste ano entraram Cemig, Banco do Brasil e Engie, enquanto que Natura e Santander já faziam parte da lista anterior.

As 200 bolsas do Salvador

O Centro Educacional da Fundação Salvador Arena-CEFSA, principal projeto social da Fundação Salvador Arena-FSA na área de educação, concluiu o processo seletivo para o preenchimento de vagas para o segundo semestre de 2018.
No total, foram oferecidas 200 bolsas de estudos integrais, sendo 40 para o Curso Técnico em Mecânica e 160 para o Ensino Superior (bacharelado em Administração, Engenharia de Alimentos, Engenharia de Computação e Engenharia de Controle e Automação). Metade das vagas foi destinada aos candidatos com renda familiar mensal per capita de até 1,5 salário mínimo.

As vagas para o Curso Técnico em Mecânica são oferecidas pelo Colégio Termomecanica-CTM e as vagas para o ensino superior, pela Faculdade de Tecnologia Termomecanica-FTT. As duas instituições de ensino são totalmente gratuitas e integram o Centro Educacional da Fundação Salvador Arena, complexo educacional de ensino intensivo, integral e humanista localizado na cidade de São Bernardo do Campo, região da Grande São Paulo.

Santíssima capacitação

A Fundação Saint-Gobain inaugurou, em parceria com a associação humanitária francesa Graines de Joie, um centro de capacitação profissional em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro. A Comunidade Santíssima Trindade – como foi chamado o espaço – oferecerá cursos gratuitos para adolescentes, adultos e idosos da região.

A Fundação Saint-Gobain, braço de Responsabilidade Social do grupo Saint-Gobain, promove ações sociais a partir da indicação de seus colaboradores, que apadrinham e defendem projetos para o desenvolvimento econômico e social, em conformidade com o bem comum e a sustentabilidade. Há 10 anos, a Fundação Saint-Gobain apoia projetos em três áreas: inserção profissional de jovens carentes; construção, melhoria ou reforma de habitações de interesse social; e redução do consumo de energia e preservação ambiental em habitações de interesse social.

Para o projeto Comunidade Santíssima Trindade, a Saint-Gobain investiu 37 mil euros e 26 toneladas em material de construção de suas empresas Weber, produtos quartzolit e Brasilit. A expectativa é que o centro tenha capacidade para
80 alunos, nos cursos de alvenaria, artesanato, computação, desenho, eletricidade, encanamento e serviço de maître.

Cidade para todos

O Fundo Baobá, em parceria com a Fundação OAK, está lançando o edital “A Cidade que Queremos”, para avaliar projetos que visem fomentar e desenvolver cidades mais inclusivas e justas. Podem participar pequenas e médias organizações da sociedade civil (OSCs) “que desenvolvem e implementem iniciativas inspiradoras voltadas para a participação cidadã, estimulando discussões e atividades na perspectiva do Direito à Cidade, com intuito de reduzir as práticas do racismo estrutural e institucional”.

O edital é exclusivo para as regiões metropolitanas do Nordeste brasileiro (Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Piauí, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Sergipe) e em especial para a cidade do Recife e região metropolitana (Recife, Jaboatão dos Guararapes, Olinda, Paulista, Igarassu, Abreu e Lima, Camaragibe, Cabo de Santo Agostinho, Goiana, São Lourenço da Mata, Araçoiaba, Ilha de Itamaracá, Ipojuca, Moreno e Itapissuma). Mais detalhes acesse: https://prosas.com.br/editais/3780.

Uma lição de civilidade

A 99, empresa de mobilidade urbana, concluiu o “Uma Lição de Mobilidade”, seu primeiro programa para levar o conceito de mobilidade às escolas. O projeto se estendeu por dois meses e ensinou alunos e professores da cidade de Cariacica, Região Metropolitana de Vitória, a entenderem a importância de se viver em uma cidade que leve em consideração o ir e vir de pessoas. No âmbito do programa, a Escola Municipal Padre Anthonius Lute foi reformada com base em um projeto feito por alunos do quinto ano do ensino fundamental.

A escola, que antes tinha somente um grande pátio de terra batida, ganhou um calçadão coberto e pavimentado, para que as crianças possam brincar nos dias de sol escaldante ou de chuva; uma praça, com novas árvores e espaços de convivência (com bancos e mesas); uma nova entrada para carros, que não mais se mistura à entrada das crianças; e uma horta, com temperos e ervas medicinais.

A primeira fase foi finalizada com a apresentação de maquetes, desenhos e até um stop motion feito pelos alunos. Nas semanas seguintes, pais, alunos do EJA (Programa de Educação de Jovens e Adultos) e membros da comunidade se uniram para fazer a transformação acontecer. A 99 doou os materiais e custeou os profissionais que orientaram as obras.

Terceiro setor representa 1,4% do PIB

Não é brincadeira o impacto que cerca de 400 mil organizações sociais brasileiras estão gerando na economia do País. Em 2007, o segmento já representava 1,4% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional, ou R$ 32 bilhões. A participação no PIB mundial alcança hoje 8%. No Brasil, já há 20 milhões de voluntários e 1,7 milhão de empregados. Um levantamento do Centro de Estudos em Administração do Terceiro Setor (Ceats) revela que 56% das empresas pesquisadas investem em atividades sociais, 40% creem que as ações sociais envolvem mais o funcionário com o trabalho e 34% creem que aumentam a produtividade.

Mais batom no mercado de trabalho

A PepsiCo e a FUNDES Latin America, uma organização internacional focada no desenvolvimento social, lançaram, em abril último, no Brasil, o “Mulheres com Propósito”, programa criado para estimular a participação das mulheres no mercado de trabalho. O programa pretende capacitar 2.000 mulheres nos próximos cinco anos e integrá-las à economia local, seja como funcionárias ou empreendedoras, começando em São Paulo, onde 400 mulheres receberão capacitação até o final deste ano, com a meta de que pelo menos 50% das participantes sejam mulheres negras. O programa, conforme explicou a presidente e CEO da PepsiCo, Indra Noovi, faz parte de um esforço para apoiar pelo menos 12.000 mulheres em toda a América Latina por meio de oportunidades de educação, empreendedorismo e emprego. A PepsiCo investirá aproximadamente US$ 1,8 milhão na região nos próximos cinco anos. O “Mulheres com Propósito” já foi implementado na Argentina, Colômbia e Venezuela. Foi também lançado no México e começará a operar na República Dominicana no final de 2018. “Estamos comprometidos a investir US$ 100 milhões para apoiar pelo menos 12,5 milhões de mulheres e meninas em todo o mundo até 2025”, diz Indra.

Selo Chico Mendes na Alcoa

O Programa ECOA – Educação Comunitária Ambiental, da Alcoa, gigante mundial na produção de alumínio, acaba de receber o Selo Verde do Procert – Programa de Certificação do Compromisso com a Responsabilidade Socioambiental, na categoria Ação Socioambiental Responsável. O programa atua, desde 2011, na zona rural do município de São Luís, no Maranhão, e cumpriu todos os quesitos exigidos pela auditoria da equipe técnica do Instituto Chico Mendes.

Por meio de parceria com a Secretaria Municipal de Educação, o Programa ECOA atua na realização do Curso de Formação de Professores, distribuição de material educativo, acompanhamento pedagógico semanal nas escolas e jogos colaborativos para alunos em contraturno escolar.

Prêmio Shell coloca combustível na cultura

Ao completar três décadas de existência e às vésperas de anunciar os vencedores da sua 30a edição, o Prêmio Shell de Teatro sobrevive à crise geral da cultura no País e firma-se como um dos mais importantes eventos das artes brasileiras. A partir deste ano, caiu para 20 o número exigido de apresentações, não necessariamente consecutivas, para um espetáculo candidatar-se ao prêmio, na praça em que estiver concorrendo, Rio de Janeiro ou São Paulo.

A cerimônia de premiação deste ano acontece ainda no primeiro trimestre. Em São Paulo, o homenageado será Ney Latorraca, que, no ano passado, reviveu nos palcos um de seus personagens mais marcantes nas novelas, o vampiro Vlad, no musical “Vamp”. No Rio, a homenagem será a Hélio Eichbauer por seu trabalho ao longo de mais de 50 anos de renovação da cenografia brasileira.

O vencedor de cada categoria recebe uma escultura em metal do artista plástico Domenico Calabroni com a forma de uma concha dourada, inspirada no logotipo da Shell, e uma premiação individual de R$ 8 mil (oito mil reais).

Criado em 1988, o Prêmio Shell de Teatro é ponto de referência nos palcos brasileiros. É oferecido aos maiores destaques do ano, no Rio de Janeiro e em São Paulo, separadamente, em nove categorias: Autor, Diretor, Ator, Atriz, Cenografia, Iluminação, Música, Figurino e Inovação.

Adote uma horta

A Fundação Alphaville está expandindo para mais 15 escolas públicas de Santana de Parnaíba, na Grande São Paulo, o “Adote uma horta”, que tem o objetivo de disseminar o conhecimento sobre agricultura e sustentabilidade. O projeto consiste em quatro visitas ao local onde a horta será plantada, nas quais um especialista ensina sobre a preparação do solo e das hortaliças para o cultivo, manuseio de ferramentas e todos os cuidados necessários para o cultivo.

Braço de Responsabilidade Social da Alphaville Urbanismo, a Fundação Alphaville está presente em 23 estados brasileiros e, em 17 anos de trabalho, já beneficiou mais de 400 mil pessoas por meio de seus mais de 210 projetos.

Na Coca Cola todo descartável vai e volta

A The Coca-Cola Company quer recolher, até o ano de 2030, em todos os países onde atua, o equivalente a 100% das embalagens que coloca no mercado. No Brasil, para cumprir a meta, a empresa vai gastar R$ 1,2 bilhão em ações de design, coleta, parceria com cooperativas de reciclagem e programas de engajamento do consumidor. Em três anos, a subsidiária brasileira quer dar destinação sustentável para 66% das suas embalagens.

Atualmente, a Coca-Cola Brasil já garante a destinação correta para 51% das embalagens produzidas, percentual que, há dois anos era de 36%.

O avanço se deu graças ao aumento de participação dos retornáveis no mix de produtos, no uso de resina reciclada para a confecção de novas garrafas (bottle to bottle) e no apoio a mais de 200 cooperativas de reciclagem em todo o País.

Até 2020, a empresa quer dobrar a participação de retornáveis no portfólio, chegando a 30%. Desde 2008, a Coca-Cola Brasil investe continuamente na capacitação de cooperativas de reciclagem e em iniciativas de inclusão dos catadores.

Catadores de Leitura

A Rede Educare, que atua na criação e captação de recursos para projetos sociais, e a Ball Embalagens, maior fabricante de latas para bebidas do mundo, vão inaugurar, até o final deste ano, mais duas bibliotecas dentro de cooperativas de catadores de material reciclável de Salvador (BA) e Porto Alegre (RS).

O projeto Cantos de Leitura, viabilizado por meio da Lei Rouanet, do Ministério da Cultura, tem como objetivo criar um espaço de leitura e educação para os cooperados e a comunidade da região onde a cooperativa atua, incluindo as escolas municipais do entorno. O acervo inicial começa com 1.200 livros de diversos títulos, direcionados para crianças e adultos, incluindo publicações mais técnicas, sobre meio ambiente e reciclagem. Além de todos os equipamentos da biblioteca, as cooperativas, normalmente, precisam passar por pequenas reformas para que consigam receber melhor o projeto.

Responsabilidade Social nas universidades

Em sua 13a edição, a Campanha da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, promovida pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), bateu o recorde de adesões desde o lançamento do projeto, em 2005. Este ano, mais de 890 instituições de ensino superior (IES) aderiram à iniciativa, centralizada durante a Semana da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, entre os dias 18 a 23 de setembro. Foram mais de nove mil atividades em diversas áreas, como educação, saúde, cultura e meio ambiente, com cerca de 1,2 milhão de atendimentos em todo o país.

A Campanha, da qual participam instituições particulares – associadas ou não à ABMES – e públicas, além das vinculadas ao Sistema S, tem o propósito de estabelecer uma ponte entre o setor acadêmico e a sociedade por meio de ações voluntárias realizadas pelas escolas. As IES que participam da Campanha são certificadas com o “Selo Instituição Socialmente Responsável”, que atesta que a instituição se preocupa com o bem-estar social e com o desenvolvimento sustentável da comunidade na qual está inserida. Para receber o selo, as instituições participantes cadastram as ações de responsabilidade social no sistema da ABMES e comprovam as atividades por meio de fotos e dados estatísticos.

Para estimular o registro de maneira criativa das ações promovidas pelas instituições, a ABMES criou o Concurso Silvio Tendler de Vídeos sobre Responsabilidade Social das IES. A iniciativa distribui quatro prêmios de R$ 2,5 mil nas seguintes categorias: Documentário, Cobertura Jornalística, Vídeo Institucional e Videoclipe. As inscrições para a
11a edição do concurso estão abertas e podem concorrer todas as instituições que participaram da edição de 2017
da Campanha da Responsabilidade Social.

Futebol do Barcelona nas escolas públicas

A Fundació FC Barcelona, ligada ao clube de futebol catalão, traz para escolas estaduais de São Paulo a metodologia do projeto FutbolNet, em uma parceria com a Fundación MAPFRE e com a Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), órgão da Secretaria de Educação do Governo de São Paulo.

O FutbolNet oferece atividades socioesportivas em comunidades com altos índices de vulnerabilidade e violência urbana e, neste ano, vai beneficiar no Brasil mais de 3 mil crianças e adolescentes de 6 a 17 anos. Desde 2016, o projeto já está em andamento na Vila Olímpica da Maré (Complexo da Maré – RJ). De 2011 a 2016, a Fundación MAPFRE, única parceria financeira da iniciativa no país, já aportou 617.850 € (equivalente a aproximadamente R$ 2,2 milhões). Em 2017, renovou a parceria por mais 12 meses, com o investimento de 210.000 € (em torno de R$ 730 mil).

Em São Paulo, serão atendidas 15 escolas de Suzano, em conjunto com o Programa Escola da Família, que abre os espaços à comunidade escolar e não escolar nos fins de semana para a realização de oficinas diversas, que vão desde capoeira, dança, artesanato, padaria artesanal e esporte comunitário até atividades como teatro e cinema.

O FutbolNet utiliza a atividade física e o esporte como agente de transformação para crianças e jovens em ambientes vulneráveis. O programa não busca a excelência esportiva, mas estabelece a atividade como um fator de socialização, educação afetiva e como uma experiência de convivência. A metodologia favorece a participação e a cooperação entre os participantes, para que adotem objetivos comuns e vivenciem situações inclusivas, que não discriminam ninguém.

Ambiente mais seguro

A SulAmérica, maior seguradora independente do País, vem reduzindo sistematicamente o impacto socioambiental de suas operações. Entre 2014 e 2016, a companhia conseguiu reduzir o consumo de água em 43% e o de energia elétrica em 24,3%, resultados conquistados por meio de iniciativas voltadas à eficiência predial, além do engajamento de colaboradores. O uso de combustível por veículos corporativos também diminuiu no período, em 35%.

Os índices integram um conjunto de cinco metas de ecoeficiência estipuladas pela companhia para o período entre 2014 e 2023. Os outros dois princípios tratam da gestão de resíduos sólidos: aumento do volume de lixo reciclado e redução de geração de lixo comum.

Outra frente que integra as ações de sustentabilidade da seguradora é a de destinação ambientalmente correta de equipamentos eletrônicos e de informática. Desde 2013 até agora, foram descartadas 53,2 toneladas de resíduos. Parte do material foi reparada e destinada a ações sociais, impactando 320 pessoas ao ano.

Energia barata na serra

A Celesc, distribuidora catarinense de energia, foi a vencedora da última edição do Prêmio Fritz Müller, promovido pela Fundação do Meio Ambiente (Fatma) para iniciativas de conservação e proteção ao meio ambiente, além do que determina a legislação.

O Projeto Banho de Energia, desenvolvido há cinco anos pela Celesc em municípios da Serra Catarinense, venceu a categoria Gestão Socioambiental. O projeto consiste na instalação de trocadores de calor em fogões à lenha para aquecer a água e também na substituição de lâmpadas tradicionais por lâmpadas LED e já recebeu quase R$ 6 milhões em investimentos do Programa de Eficiência Energética Celesc/Aneel.

Na categoria Conservação de Insumos de Produção (Energia), o prêmio foi concedido à empresa por conta do descarte ambientalmente correto dos eletrodomésticos, equipamentos e lâmpadas substituídos durante a execução dos projetos de eficiência energética da Aneel/Celesc. Até o momento, foram destinados aos processos de manufatura equipamentos ineficientes substituídos em mais de 180 mil unidades consumidoras.

Fauna mais segura nas estradas

A CART – Concessionária Auto Raposo Tavares, que administra 834 quilômetros de rodovias entre Presidente Epitácio e Bauru, no estado de São Paulo, reduziu em 72% o índice de atropelamento de animais, entre os municípios de Maracaí e Regente Feijó, mesmo com a duplicação da pista e aumento de VDM (Volume Diário Médio de veículos). O trabalho faz parte do programa de mitigação de atropelamento de fauna em um trecho de 71 km de rodovia.

O programa de mitigação de atropelamento de fauna da CART começa pelo mapeamento das estruturas já existentes na rodovia e indícios de animais que realizam as travessias; passa por uma análise criteriosa do banco de registros de ocorrência com animais – por atropelamento, avistamento, afugentamento e captura –; e segue com a implantação de medidas de mitigação, como a construção de novas estruturas, adaptação de estruturas existentes e a implantação de sinalização.

Os passos seguintes do programa, previstos para os próximos quatro anos, incluem o monitoramento das passagens implantadas em três áreas para continuidade do levantamento da fauna existente; análise de dados para a elaboração de matrizes de curvas de aprendizagem de animais, uma vez que não há dados científicos no Brasil; e implantação de blocos de pedra e “mata-burros” no final das cercas de condução.

Bolsa sustentável

A WEG, fabricante de motores, com sede em Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, foi selecionada, pela 4a vez consecutiva, pelo Dow Jones Sustainability Indices (DJSI) e, desde o mês passado, integra, ao lado de outras oito empresas brasileiras, a carteira do Dow Jones Sustainability Emerging Markets Index 2017 (DJSI-EM). O DJSI, elaborado pelo Dow Jones e pelo RobecoSAM Group, foi o primeiro índice global a avaliar a sustentabilidade empresarial considerando os aspectos econômico, ambiental e de desenvolvimento social. Em 2017, o DJSI considerou um universo de 3.484 companhias em todo o mundo, incluindo as 803 maiores companhias nos chamados Mercados Emergentes, das quais foram selecionados 91 componentes. Com a inclusão no DJSI-EM, a companhia – que já integra o Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE), elaborado pela B3 – reforça sua posição no mercado de capitais.

Ambev e Coca-Cola unidas na reciclagem

A Coca-Cola e a Ambev são adversárias no mercado de bebidas, mas estão unidas no “Reciclar pelo Brasil”, um programa que conta ainda com a parceria da Associação Nacional dos Catadores e Catadoras de Materiais Recicláveis (ANCAT). Um dos principais objetivos das duas fabricantes de bebidas é otimizar os investimentos às cooperativas de catadores do País. A expectativa é a de que as 110 cooperativas que fazem parte da etapa inicial do programa recebam até 25% a mais de investimentos.

O primeiro passo é executar um diagnóstico e plano de ação periódico e customizado, para direcionar os investimentos de acordo com as necessidades de cada cooperativa. Os objetivos principais são: profissionalizar e regularizar cada vez mais o trabalho das organizações; aumentar o volume dos resíduos recolhidos; elevar a receita das cooperativas; e aumentar a renda dos catadores. As empresas passam a buscar a partir de agora a adesão de outras indústrias para aumentar, exponencialmente, o impacto do projeto.

Show de solidariedade

Ficou com o Congo a taça de campeão da terceira edição do Campeonato Multicultural do Adus, realizado em 21 de maio, no Colégio Santa Cruz, em São Paulo. A segunda posição ficou com o Haiti, seguido por Mali.

Nem a forte chuva e o frio desanimaram os 120 jogadores, de oito times, que competiram pela taça. Enquanto a bola rolava no campo, cerca de 150 voluntários se dividiam na churrasqueira, fritando batata e cuidando das crianças nos brinquedos.

Futebol à parte, o evento foi um show de solidariedade. A Pinheiro Neto Advogados, que arcou com todas as despesas relacionadas ao evento, ainda montou plantão jurídico para os refugiados, participando com mais de 120 voluntários.

O grupo Sorriso de Batata levou batata frita, pipoca, algodão doce, mágicas e voluntários. A ONG Palhaços Sem Fronteiras divertiu adultos e crianças com uma apresentação especial. A Clínica Cecam disponibilizou equipe médica e equipamentos para os atletas. A Alphagraphics fez o backdrop do evento. Participaram também a Firenze Transportes, o produtor e cantor Fernando Maynart e a Simon Consultoria, que trouxe um grupo de voluntários.

O Clube da Walmart

Já são mais de 9 mil famílias, distribuídas em 17 estados da Federação, impactadas positivamente pelo Clube dos Produtores da Walmart Brasil. Lançado pela empresa em 2002 para garantir qualidade, bom fornecimento para suas lojas e, ao mesmo tempo, proporcionar aos agricultores boas práticas de produção, o Clube acumulou, até agora, mais de 550 contratos de fornecimento, entre produtores individuais e cooperativas.

Hoje, cerca de 14% do volume de hortifrutigranjeiros adquiridos pela Walmart para suas lojas são provenientes dos participantes do Clube dos Produtores. Além de proporcionar aos seus participantes um canal direto com o grande varejo, o Clube oferece apoio o técnico e qualificação, prazo diferenciado de pagamento, preço mais vantajoso para os produtos, contrato comercial especial, além da prioridade na antecipação de crédito e no descarregamento das mercadorias nas lojas.

Anualmente, os produtores recebem a visita dos engenheiros agrônomos da Walmart, que avaliam as condições de produção e repassam aos agricultores práticas modernas de gestão do negócio e conformidades trabalhistas e ambiental. O resultado são produtos mais sustentáveis.

Prestação de contas

O Relatório de Sustentabilidade da Embraco – fabricante de compressores –, que abrange os anos de 2015 e 2016, lançado em maio, registrou que mais 35 mil pessoas foram beneficiadas pelos projetos sociais da empresa. Outros destaques do documento são as 10,6 mil toneladas de materiais reciclados, zero resíduos industriais no aterro e emissão de 7 mil toneladas de CO2 a menos. A natureza, penhorada, agradece. O relatório é global e traz resultados da empresa em suas unidades – Brasil, China, Eslováquia, México, Estados Unidos, Itália e Rússia.

Além de divulgar informações sobre ações e impactos gerados para a empresa e para a comunidade, o documento reforça o compromisso da Embraco com o Pacto Global, renovado a cada ano, e contempla os objetivos do Desenvolvimento Sustentável estabelecidos pela Organização das Nações Unidas (ONU). O relatório também demonstra a estratégia e os passos que guiam a companhia globalmente rumo a 2020, pautados pelo desenvolvimento de produtos e cadeia de valor sustentável por meio de pessoas engajadas.

Informática caixa branca

A informática deixou de ser uma caixa preta para as 50 pessoas, entre crianças a adultos, das comunidades de São Sebastião do Bom Sucesso, Turco e Cabeceira do Turco, em Conceição do Mato Dentro (MG). Desde maio passado, eles têm aulas gratuitas sobre o assunto, ministradas por empregados da Anglo American, que atuam como professores por meio do Programa de Voluntariado da empresa.

O curso terá duração de quatro meses e será dividido nos seguintes módulos: noções básicas, Word, Excel e Internet. As aulas são realizadas duas vezes por semana no Centro de Inclusão Digital (CID) da Escola Estadual João Mariano Ribeiro, espaço montado pela Anglo American a partir da doação de computadores e mobílias e de parceria com a CMDNet para instalação da rede lógica. Como o número de inscrições superou a demanda, o Programa de Voluntariado criou uma lista de espera para a próxima edição do curso.

O Programa de Voluntariado da Anglo American foi lançado em setembro de 2016 com o objetivo de ampliar a atuação social da empresa e de seus empregados, além de fortalecer o relacionamento com a comunidade. Já foram realizadas atividades para revitalização do distrito de São Sebastião do Bom Sucesso, em Conceição do Mato Dentro, e ações em comemoração ao Dia das Crianças e Natal.

Construção social

Estão abertas as inscrições para mais uma edição do Prêmio CBIC de Responsabilidade Social, promovido pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), por meio do Fórum de Ação Social e Cidadania (FASC). O objetivo é incentivar a cultura da responsabilidade social no setor, dando visibilidade nacional e regional aos trabalhos vencedores como iniciativa relevante do setor.

Realizada desde 2005, a premiação é a maior iniciativa de reconhecimento das práticas socialmente responsáveis do segmento da construção no Brasil. Podem participar entidades e empresas construtoras ou do mercado imobiliário sediadas no Brasil, que estejam desenvolvendo ações, projetos ou programas de responsabilidade social.

O prêmio de Responsabilidade Social, que passou a ser bianual, foi elaborado com base na Norma ISO 26000, da Lei de Responsabilidade Social, que estabelece as orientações para as ações de Responsabilidade Corporativa relacionadas aos temas: Direitos Humanos, Práticas Trabalhistas, Meio Ambiente, Práticas Leais de Operação, Questões Relativas à Consumidores e Desenvolvimento e Envolvimento Comunitário. Serão concedidos prêmios nas categorias Entidade, Empresa, Seconci e Reconhecimento Social. As inscrições estão abertas até o dia
15 de setembro de 2017.

Favela Hub

O Viva Rio inaugurou em junho o Favela Hub, um polo de inovação social localizado no Morro do Cantagalo/Pavão-Pavãozinho, Zona Sul do Rio de Janeiro, onde vivem 11 mil pessoas. O objetivo do polo é incentivar propostas “sustentáveis e escalonáveis” a partir da utilização de tecnologias e distribuição de conhecimentos úteis à transformação social e à criação de políticas públicas.

Na busca de soluções para os problemas urbanos, o Favela Hub pretende conectar diversos atores, públicos e privados, entre moradores das comunidades do entorno, empresas, empreendedores, pesquisadores, Polícia Militar, agentes de saúde, estudantes internacionais, investidores e tecnólogos, entre outros. O projeto prevê aluguel de salas privadas e espaços de coworking, cursos, workshops, feiras e intercâmbios acadêmicos.

Mãos que falam

A TIM lançou em junho o “Giulia – Mãos que falam”, sistema baseado em inteligência artificial para facilitar a comunicação entre surdos e pessoas que não sabem a Linguagem Brasileira de Sinais (LIBRAS). Idealizado pelo Professor Dr. Manuel Cardoso, da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), o “Giulia” permite – por meio de uma pulseira e de um sensor – a tradução dos movimentos de quem está utilizando o aparelho em formato de voz e sinais realizados por um avatar, facilitando a vida das pessoas com deficiência auditiva.

Segundo o último censo do IBGE (2012), o Brasil tem 9,7 milhões de deficientes auditivos, sendo que, desses, pelo menos 2 milhões apresentam perda de audição em grau severo. Além dos usuários, a iniciativa pode ser aproveitada pela área de recursos humanos das empresas, tanto na contratação como na comunicação com os deficientes auditivos.

O “Giulia Mãos – que falam” é um aplicativo que utiliza a tecnologia embarcada nos smartphones para traduzir em som o significado dos movimentos de quem está utilizando o aparelho, ele capta os sinais transmitidos pela tela do celular em formato de voz e sinais.

Hotelaria solidária

A Escola Carvalho Hosken de Hotelaria está recrutando jovens de 18 a 24 anos, com ensino médio completo ou cursando o último ano, para o curso gratuito de hotelaria, com vagas abertas também para pessoas com deficiência física ou auditiva. A escola oferece especialização em hotelaria com aulas práticas ministradas pelo Senac RJ e Hilton Barra. Os alunos inscritos receberão auxílio vale transporte, material didático, uniforme e o certificado de qualificação ao final do curso.

Inaugurada no final de 2015 com foco na mão de obra para as olimpíadas de 2016, a escola já formou 76 alunos. Atualmente, 12 estudantes da Escola Carvalho Hosken de Hotelaria atuam como profissionais no hotel cinco estrelas da rede Hilton. Os interessados devem preencher a ficha de inscrição no Banco de Jovens do site do RioSolidário (www.riosolidario.org).

Empreendedores mirins

O Miniempresa, carro-chefe dos programas da Junior Achievement – fundação mantida pela iniciativa privada, cujo objetivo é despertar o empreendedorismo nos jovens – está sendo levado a cerca de 500 estudantes do ensino médio de 19 escolas públicas e privadas de Porto Alegre e de Eldorado do Sul, no interior gaúcho. Durante mais de um mês, em jornadas semanais de três horas e meia, meninos e meninas, entre 15 a 18 anos, aprenderão processos de montagem e operação de uma empresa.

Acompanhados por voluntários da Junior Achievement, os jovens, irão conhecer o método Aprender-Fazendo, criado por profissionais de Harvard e disseminado por todo o Brasil. Os alunos darão os primeiros passos para conhecer o que é uma pesquisa de mercado, como captar recursos, desenvolver um organograma e participar de uma reunião de diretoria. Eles também serão familiarizados com formulários de controle, ações, investimentos, impostos e acionistas. O curso culminará com a fabricação, pelos jovens, de seus próprios produtos, que serão apresentados e comercializados na Feira de Miniempresas, no Shopping Iguatemi, na capital gaúcha, nos dias 27 e 28 de maio.

Um dia para a criança

O presidente e CEO da Bunge Brasil, Raul Padilla, apresentou, no início de abril, durante o Global Child Forum, em São Paulo, trabalho sobre Proteção Integral à Criança e ao Adolescente, uma das frentes do programa Comunidade Integrada, desenvolvido pela Fundação Bunge no estado do Pará.

O Comunidade Integrada é o programa de desenvolvimento territorial sustentável da Fundação Bunge, implementado desde 2014 nos municípios de Barcarena e Itaituba, no Pará. Entre suas frentes de trabalho está a Proteção integral à criança e ao adolescente, com ações de sensibilização e conscientização de caminhoneiros e empresas de transporte que atuam na região.

O Global Child Forum, realizado desde 2009 pela família real sueca em parceria com a Unicef e a Childhood Brasil, contou com a presença de líderes e influenciadores de empresas, governos, sociedade civil e universidades, que promoveram um dia de diálogo, conhecimento e ação com relação aos direitos da criança.

Os Expedicionários da Saúde

Os médicos da ONG Expedicionários da Saúde que, entre 19 de março e 1o de abril, deste ano, visitaram as comunidades Yauaretê e Pari-Cachoeira, povoados do município de São Gabriel da Cachoeira, no estado do Amazonas, realizaram 364 cirurgias, 2.963 consultas e 5.455 exames e procedimentos.

Nestas localidades, onde o atendimento à saúde é precário, a ONG, com o apoio da Pfizer, além de cirurgias de pequeno e médio porte, faz atendimentos nas áreas de oftalmologia, clínica geral, pediatria, ortopedia, ginecologia e odontologia. A equipe monta um verdadeiro hospital móvel e organiza toda a estrutura para receber os indígenas.

Por meio do projeto “Operando na Amazônia”, os profissionais que atuam em hospitais, clínicas e os funcionários da farmacêutica deixam seus postos de trabalho para se dedicar como voluntários no meio da selva amazônica.

Terapia canina

Em meio a latidos e muitas lambias, a visita dos cães da empresa Liga DogHero – plataforma de hospedagem domiciliar para cachorros – trouxe alegria e carinho para os internos do Asilo Padre Cacique, em Porto Alegre. Treinados, dóceis e serelepes, os cães, aos quais se atribuem poderes terapêuticos, animaram até os idosos mais enfermos.

Garantem os dirigentes do DogHero que a “super lambida” de Mel, da raça Cocker, em contato com a pele, transmite amor e sentimento de pertencimento. Pipa, um labrador, com seu “rabinho supersônico” criaria um campo de força ao redor das pessoas, afastando o tédio e restabelecendo a energia positiva do ambiente. O maltês Buda com o toque da sua “patinha atômica” teria o poder de acalmar os mais estressados. O vira-lata Jingles, com o seu “olhar Biônico”, seria capaz, em poucos segundos, de irradiar estabilidade emocional. Não foram comprovados os poderes dos cães, mas os velhinhos adoraram a visita.

Trabalho em grupo

Aumentou o número de parcerias entre Organizações da Sociedade Civil (OSCs) e escolas públicas a serem contempladas no Prêmio Itaú-Unicef, que chega a sua 12a edição com o mote “Educação Integral: Parcerias em Construção”. Pelas novas regras, além dos vencedores nacionais e regionais, as 96 finalistas receberão prêmio em dinheiro.

O objetivo do programa é reconhecer e estimular as boas parcerias entre as OSCs e escolas públicas no desenvolvimento de ações de aprendizagem para crianças e adolescentes. Ao se inscrever, a OSC indica a escola com a qual trabalha e as atividades socioeducativas que desenvolvem conjuntamente. As parcerias são avaliadas por agentes públicos das áreas de Educação e Assistência Social e a premiação contempla tanto a OSC quanto a escola pública.

A premiação final está prevista para dezembro, em São Paulo. Desde 1995, o prêmio já recebeu cerca de 16 mil inscrições, premiando iniciativas em 1.752 cidades. As inscrições podem ser realizadas até o dia 17 de maio no site premioitauunicef.org.br, onde está publicado também o regulamento.

Aprendendo no ônibus, na praia e até em escolas

O interior de um ônibus, a areia da praia e mesmo um banco escolar são espaços de aprendizado para as atividades do Plataforma Educativa Repsol Sinopec, programa itinerante que leva conhecimento, qualificação e aperfeiçoamento profissional às comunidades costeiras. Em maio, o programa estará desembarcando na cidade de Cananeia, no litoral sul de São Paulo, para promover atividades voltadas para pesca, educação ambiental, saúde e segurança. Realizado em parceria com o Instituto Costa Brasilis e o Instituto de Oceanografia da Universidade de São Paulo (IOUSP), o programa existe desde 2009 e já esteve em 18 cidades do litoral dos estados do Espírito Santo, Rio de Janeiro e São Paulo, envolvendo mais de 12 mil pessoas.

A programação inclui o curso de Pescador Profissional (POP), ministrado pela Marinha do Brasil. Nas ações para estudantes, como o Tarô Ambiental, são mostrados, de forma lúdica, conceitos de preservação do meio ambiente. O EnTenda o Lixo, por sua vez, ensina como dar destinação aos resíduos marinhos. As atividades são realizadas em parceria com o Instituto Costa Brasilis e com o Instituto de Oceanografia da Universidade de São Paulo (IOUSP). O programa inclui ainda aulas teóricas e práticas sobre Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC) e Saneamento Ecológico e Tecnologias Ambientais Alternativas ministradas pela equipe da RAIZ Assessoria Socioambiental.

Escolhidos a dedo

A Sul América, maior seguradora independente do País, escolheu depois de seleção criteriosa, seus parceiros da
área de saúde para atuar em projetos sociais. Depois de analisar muitas propostas a seguradora escolheu a Fundação Banco de Olhos de Goiás (GO), o Instituto do Câncer Infantil (RS), o Instituto do Câncer do Ceará (CE), a Associação Escola Louis Braille (RS) e Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD-SP) para fazer o aporte de aproximadamente R$ 7 milhões via leis de incentivo fiscal.

Neste ano, os projetos sociais da Sul América foram escolhidos por meio de dois processos independentes: um edital, que registrou o número recorde de 212 inscrições, para a captação de parceiros aptos a receber recursos via Fundo Nacional do Idoso e Fundo dos Direitos da Criança e do Adolescente, e uma apuração complementar junto ao Programa Nacional de Apoio à Atenção Oncológica (Pronon) e ao Programa Nacional de Apoio à Atenção da Saúde da Pessoa com Deficiência (Pronas).

Ensino a jato

Já somam 960 o número de alunos atendidos anualmente nos Colégios Embraer, com índice de aprovação em torno de 80% em universidades públicas. As escolas, mantidas pelo Instituto Embraer – Juarez Wanderley, em São José dos Campos, e Casimiro Montenegro Filho, em São José dos Campos e Botucatu, oferecem gratuitamente as três séries do Ensino Médio em período integral para alunos egressos da rede pública de ensino. Os estudantes também recebem uniformes, materiais didáticos, alimentação e transporte.

Os alunos têm acesso ao Programa de Preparação para a Universidade (PPU), do qual participam especialistas brasileiros, do exterior e profissionais da área de capacitação e treinamento de grandes empresas, entre elas a Embraer. Com 640 horas-aula, o PPU divide-se em três vertentes: Pré-Exatas, Pré-Humanas e Administração e Pré-Biomédicas.

O Pré-Exatas foi concebido com o apoio da CORD (Center of Occupational Research and Development) do Texas, consultoria educacional com 30 anos de experiência nos EUA e outros seis países. O Pré-Humanas e Administração é conduzido em parceria com a Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). O Pré-Biomédicas é desenvolvido em conjunto com o Instituto de Ensino e Pesquisa do Hospital Sírio-Libanês.

Brincando e aprendendo

A segunda edição do Furnas Educa, programa educacional itinerante desenvolvido por Furnas, chegou recentemente a Campinas e impactou 1.200 crianças, de 6 a 12 das escolas estaduais. As mensagens, transmitidas por meio de cartilhas, brincadeiras, vídeos e palestras, tratam de alimentação saudável, direitos humanos, reciclagem, saúde, conservação de energia e água, além de bullying e questões de gênero. O projeto, lançado por Furnas em 2013, procura promover a educação e fortalecer as políticas públicas com assuntos voltados à promoção dos direitos das crianças e adolescentes.

Nos últimos dois anos, o Furnas Educa percorreu 174 escolas e instituições sociais em 46 municípios dos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Minas Gerais, Goiás, Paraná e o Distrito Federal, levando conhecimento a cerca de 70 mil crianças e jovens. A meta é atingir a marca de 200 mil crianças até o fim do ano. A ex-campeã de ginástica artística Daiane dos Santos, embaixadora do programa, acompanha a equipe de técnicos da empresa desde 2013, falando de suas experiências e abordando os temas do Furnas Educa. A ideia é que, por meio do seu exemplo de dedicação e superação, a atleta envolva ainda mais as crianças na luta contra as queimadas e em defesa do meio ambiente.

A agricultura das famílias

As famílias reassentadas do Minas-Rio, desapropriadas de suas áreas para implantação de uma mina de extração de minério de ferro da Anglo-American, em Conceição do Mato Dentro, estão recebendo novas contrapartidas da mineradora. O Programa de Reestruturação Produtiva, desenvolvido desde 2013 está expandindo suas atividades para as comunidades de São José da Ilha (Dom Joaquim), Córregos (Conceição do Mato Dentro), São José do Jassém e Itapanhoacanga (Alvorada de Minas). Realizado em parceria com a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais (Emater-MG), o programa atinge cerca de 150 agricultores.

Já foram realizados 11 eventos para capacitação dos agricultores, como forma de potencializar o desenvolvimento econômico da região. Além de promover cursos, palestras e oficinas sobre temas como bovinocultura, técnicas de silagem de capim, Programa Nacional de Alimentação Escolar, fruticultura comercial e organização e gestão da produção, a companhia está atuando como apoiadora e indutora de projetos que serão implantados com articulação de parcerias entre poder público e privado, o terceiro setor e as comunidades.

Voluntário ganha mais

A responsabilidade social dentro das organizações, cada vez mais, conta com o apoio do voluntariado. As empresas entram com os recursos e os empregados, com a vontade de ajudar, e todo mundo sai ganhando. Segundo um estudo médico do Reino Unido, publicado pela revista “BMC Public Health”, os voluntários possuem um índice de mortalidade 20% menor se comparado aos não voluntários. O estudo conclui ainda que os que praticam trabalho voluntário também sofrem menos com depressão e desfrutam de maior bem-estar.

Uma outra pesquisa, da Universidade de Harvard, publicada em 2015, e feita com cerca de sete mil pessoas com mais de 50 anos nos EUA, mostra que os voluntários são pessoas mais preocupadas com a própria saúde e, portanto, fazem mais exames preventivos. As voluntárias, por exemplo, são 53% mais propensas a fazer mamografia do que as não voluntárias. Além disso, quando adoecem, voluntários em geral passam 38% menos tempo em hospitais que o resto da população.

Muitas empresas têm considerado a experiência em voluntariado como diferencial na hora de escolher um candidato a uma vaga de emprego ou promoção. Segundo pesquisa da Deloitte (USA) de 2016, 82% dos gestores se sentem mais inclinados a escolher candidatos com experiência em voluntariado, 92% dos gestores concordam que o voluntariado melhora habilidades de liderança, e 80% acreditam que voluntários ativos se movem mais rapidamente para cargos de liderança.

Unidos pela CSA

Um casamento coletivo uniu, em fins de novembro, 832 casais da zona oeste do Rio de Janeiro sob a batuta da Usina Comunitária CS, programa de responsabilidade social da Thyssenkrupp CSA. O casamentaço, patrocinado por uma parceria com o SESI-RJ, Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e a Base Aérea de Santa Cruz, foi realizado no único Hangar de Zeppelin do mundo.

A cerimônia foi celebrada por 25 juízes de paz do TJ-RJ na presença de mais de 6 mil pessoas, entre noivos, testemunhas e convidados. A marcha nupcial tocou durante duas horas para que os 832 casais entrassem no hangar, em um tapete vermelho de 100 metros. Cerca de 500 pessoas, incluindo mais de cem voluntários, trabalharam na produção do evento, que contou também com espaços para maquiagem das noivas, produção de fotos, retirada de buquês e recreação infantil.

O casamentaço é gratuito e ainda e garante os direitos civis dos noivos, como acesso a plano de saúde. Voltado para moradores dos bairros de Santa Cruz, Sepetiba, Nova Sepetiba I e II, Manguariba e Paciência, próximo à área de atuação da CSA, está na sua segunda edição. Em 2015, celebrou a união de 600 casais.

Pintando um emprego

A Suvinil, líder do mercado brasileiro no segmento premium de tintas imobiliárias, está capacitando pessoas em situação de vulnerabilidade social para trabalhar como pintores auxiliares e obter colocação profissional. O primeiro treinamento, em fins do ano passado, foi realizado com 16 alunos do CTA (Centro Temporário de Acolhimento), da Vila Mariana, região sul da capital paulista. Ao longo de 2018, a Suvinil capacitará 220 pessoas, divididas em diferentes turmas.

Matéria-prima para o desenvolvimento escolar

O instituto Eurofarma, braço de Responsabilidade Social do laboratório Eurofarma, chegou a marca de 50 mil pessoas beneficiadas com suas ações educacionais em seus 10 anos de existência, com atividades em sua sede, em áreas próximas às plantas da empresa e nas instalações de parceiros pedagógicos. Um dos programas é o Matéria-Prima, que tem atividades voltadas à educação complementar e atende no contraturno escolar a 360 alunos com idade entre 7 e 13 anos, matriculados no Ensino Fundamental de escolas públicas em São Paulo. As oficinas abordam temas como arte, música, dança, informática, meio ambiente e cidadania, e os estudantes recebem almoço e lanche, uniforme e transporte.

Em São Paulo, o Matéria-Prima estende-se ainda por meio do projeto “Agenda Aberta” que é realizado às sextas-feiras, durante todo o ano letivo, por meio de oficinas pontuais e atividades lúdicas para escolas da rede pública do entorno. Outro projeto, o “Recreio nas Férias” atua nas escolas durante o recesso com a mesma proposta. Em 2015, a participação nos dois projetos aumentou cerca de 33%, totalizando 3.275 crianças e jovens beneficiados.

Manufatura com humanismo no Formare

O programa Formare, parceria do Instituto 3M com a Fundação Iochpe, acaba de formar a segunda turma do seu curso de Assistente de Manufatura Industrial na cidade de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Dos 150 inscritos para as 20 vagas somente 18 jovens receberam seus certificados. A expectativa dos formandos é ser empregado pela 3M, mas o curso os habilita a exercerem a profissão em outras empresas. Atualmente, quatro desses jovens fazem parte do quadro de funcionários 3M e outros três trabalharam como temporários durante seis meses.

O curso de Assistente de Manufatura Industrial tem duração de sete meses com 15 disciplinas divididas em 660 horas de conteúdo teórico e 110 horas de aulas praticas. Além das matérias voltadas para a atividade fim, os alunos recebem reforço em Português e Matemática, aulas de teatro e têm atividades extracurriculares. O SEBRAE ofereceu o curso “Jovem Empreendedor” e a Polícia Militar Rodoviária apresentou palestras sobre drogas e direção defensiva. Já o Instituto de Psicologia Avançada (IPA) abordou o tema sexualidade.

Durante as aulas, os jovens receberam bolsa auxílio de meio salário mínimo, alimentação, transporte, seguro de vida em grupo, assistência médica e odontológica, uniforme e material escolar.

Abaixo o trabalho infantil

Prestes a sair do forno, a nova edição do “Cenário da Infância e Adolescência”, produzido pela Fundação Abrinq, revelará, entre outros dados sobre a população de 0 a 18 anos, que há mais de 3,3 milhões de crianças submetidas ao trabalho ilegal no Brasil. A campanha começa na mídia impressa e, em seguida, se desdobra para as redes sociais, ações de marketing direto para jornalistas e blogueiros do universo fashion e ativações em desfiles de moda.

Nos últimos anos, a organização vem denunciando o trabalho infantil a partir de campanhas publicitárias como, por exemplo, uma sobre moda desenvolvida pro bono pela agência Lew’Lara\TBWA. As imagens das modelos remetem a um anúncio tradicional de marca de moda, mas mostra, no detalhe, uma criança escondida na estampa da roupa, dando a entender que o público infantil é usado como mão de obra na indústria têxtil.

A indústria da moda vem sendo pressionada por envolver trabalho infantil em sua linha de produção, especialmente nas oficinas de costura. Apesar de grandes marcas combaterem esse tipo de prática, ONGs em todo o mundo continuam mostrando que esse crime está longe de acabar, muito por conta do uso de mão de obra de crianças por parte de fornecedores que integram a cadeia da produção têxtil.

Criada em 1990, a Fundação Abrinq pelos Direitos das Crianças e dos Adolescentes é uma organização sem fins lucrativos que tem como missão promover a defesa dos direitos e o exercício da cidadania de crianças e adolescentes. Pautada pela Convenção Internacional dos Direitos da Criança (ONU, 1989), Constituição Federal brasileira (1988) e Estatuto da Criança e do Adolescente (1990), tem como estratégias o estímulo para implementação de ações públicas, fortalecimento de organizações não governamentais e governamentais para prestação de serviços ou defesa de direitos. Para quem quer saber mais
sobre a infância no Brasil, acesse o site www.observatoriocrianca.org.br.

Labaredas musicais

O trabalho do maestro Villa-Lobos e sua paixão pela cultura brasileira são as maiores inspirações do “Brasil de Tuhu”, programa realizado pelo Quarteto Radamés Gnattali em parceria com a produtora Baluarte Cultura. Há oito anos o programa atua na ampliação do acesso à educação musical no país, por meio de concertos em escolas e oficinas para educadores, e já percorreu 36 municípios de 17 estados do país. Isso equivale a mais de 15 mil jovens impactados pela iniciativa.

Recém-lançado, com o patrocínio da Wilson Sons, via Lei Rouanet, o primeiro CD, Brasil de Tuhu – Volume 1, é composto por cantigas selecionadas do Guia Prático de Villa Lobos, uma coletânea criada pelo maestro nos anos 30. Para a gravação, o Quarteto contou com convidados especiais como Zeca Pagodinho, Elba Ramalho, o pianista Nicolas Krassik e o sanfonista Marcelo Caldi. Com um encarte em formato de jogo musical para crianças, o CD está disponível em
www.brasildetuhu.com.br.

Tuhu, que em tupi-guarani significa “labaredas”, era o apelido de Villa-Lobos na infância.

O bê-á-bá do dinheiro

Garibaldo, Beto, Ênio, Come-Come e os demais personagens da série brasileira Vila Sésamo estão ensinando as crianças em idade pré-escolar noções básicas de gerenciamento de dinheiro. Baseado em videoclipes, uma série animada, jogos digitais, tirinhas e atividades para imprimir, além de guias para educadores e cuidadores, o projeto multimídia “Vila Sésamo, Sonhar, Planejar, Alcançar: Fortalecimento Financeiro para Famílias” estará sendo transmitido pela TV Cultura ao longo de três anos em nove capitais brasileiras: Recife, Belo Horizonte, São Paulo, Belém, Campo Grande, Curitiba, Manaus, Rio de Janeiro e Maceió. Em cada município, 10 escolas públicas de educação infantil farão parte da ação.

Usando linguagens lúdicas, tópicos como consumo consciente, economia, reúso e partilha são abordados de forma apropriada à faixa etária. Os temas se estendem à economia de recursos naturais e ao empoderamento feminino. A ideia é que o projeto, financiado pela MetLife Foundation, uma das maiores seguradoras do planeta, auxilie os pequenos e suas famílias a identificarem desejos, definirem metas, fazerem planos e realizarem seus sonhos.

“Sonhar, Planejar, Alcançar” envolve diversos países, incluindo México, Estados Unidos, Índia e China. No Brasil, as ações estão sendo implementadas pela DSOP – Educação Financeira, uma organização dedicada à disseminação de conceitos e práticas de educação financeira no país e no mundo, sempre acompanhada por uma consultora educacional brasileira, contratada pela Sesame Workshop especialmente para o projeto, para entender e priorizar a realidade da criança brasileira.

Um golpe na exclusão social

Um golpe certeiro na exclusão social está sendo financiado pela White Martins por meio do projeto “Kung Fu – Formando Cidadãos”, que proporciona a inserção no esporte a 440 crianças e adolescentes de ambos os sexos, entre sete e 16 anos e em estado de vulnerabilidade social. Todos são estudantes da rede pública de ensino dos municípios de Paulínia, Osasco, Campinas, Limeira e São Paulo.

A prática ocorre em colégios públicos, associações do terceiro setor e centros comunitários desses municípios, e tem a chancela da Federação Paulista de Kung Fu (FPKF). Ministradas de segunda a sexta, as aulas são divididas em conteúdo teórico, que incentiva a disciplina, o respeito mútuo, a autoconfiança e o trabalho em equipe; e técnicas básicas de luta, como movimentos de socos, chutes e formas.

Mapa de Nós

Um levantamento inédito sobre as condições de vida de pessoas com deficiência física e mental nas favelas pacificadas do Rio de Janeiro, o “Mapa de Nós”, acaba de ser concluído por iniciativa da agência de publicidade carioca NBS, em parceria com a ONG Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável – CIEDS. Durante um ano, os pesquisadores, também portadores de deficiência, visitaram 12.456 domicílios, em dez comunidades, e entrevistaram 945 pessoas. Os resultados revelaram a baixa escolaridade e consequente pouca qualificação dos entrevistados, com a maioria possuindo apenas o ensino fundamental, além de um grande desconhecimento sobre as potencialidades, leis e programas sociais voltados aos deficientes físicos e mentais.

As lacunas indicadas pela pesquisa sublinham também muitas oportunidades para empresas que queiram tratar com seriedade o tema sobre a pessoa com deficiência. As oportunidades vão desde a realização de cursos profissionalizantes para os jovens de baixa escolaridade com deficiência até a criação de campanhas para divulgação da Lei de Cotas e dos benefícios aos quais esse público tem direito. A ação faz parte do projeto Rio+Rio, lançado pela NBS em 2012 com o objetivo de aproximar as grandes empresas/marcas das comunidades pacificadas do Rio para a construção conjunta de uma nova cidade.

Presente que eu quero

Tem a assinatura da Artplan a criação da campanha #oPresenteQueEuQuero, da ActionAid, organização internacional de combate à pobreza. A campanha estimulou, por meio de um hotsite, as pessoas a aderirem à tradicional troca de fotos no Facebook, no Dia das Crianças, mas dando visibilidade àquelas que fazem parte do programa de apadrinhamento da ActionAid e precisam de apoio. Sempre que alguém apadrinha uma criança pela ActionAid, por meio de doação mensal, o dinheiro vai para o projeto realizado na comunidade onde a criança vive, beneficiando, assim, um conjunto de indivíduos e não apenas uma família. A organização está presente em 47 países e, só no Brasil, beneficia aproximadamente 300 mil pessoas.

Leitura sobre rodas

Contrariando a crença de que o carioca lê pouco, o ônibus-biblioteca do projeto “Livros nas Praças”, patrocinado pelas Lojas Americanas e Americanas.com, encerrou a primeira temporada deste ano com 6.654 visitantes e totalizou 743 empréstimos de livros. Entre os 2 mil títulos infantis, juvenis e adultos do acervo do ônibus, os títulos mais procurados pelas crianças e adolescentes foram “Percy Jackson”, “O Diário de um Banana”, “Harry Potter” e “Maria Passarinho”. Já os adultos preferiram “A Vida Além da Vida” e “Águas para Elefantes”. Os frequentadores do ônibus vermelho são em sua maioria jovens, entre 8 e 16 anos, universo no qual as meninas com idade entre 13 a 15 anos representam o maior número de leitores.

O ônibus conta também com 60 livros de ilustrações em braile para crianças, livros em fonte ampliada para pessoas com baixa visão, audiobooks para deficientes visuais e 30 livros em braile para adultos. Além disso, possui cadeira de transbordo, própria para cadeirantes e idosos com dificuldades de subir a escada de acesso.

Nas 16 semanas entre abril e julho últimos, a biblioteca sobre rodas circulou por bairros e municípios do Rio de Janeiro, como Saúde, Leme, Gamboa, Madureira, Santa Cruz, Vila Kennedy, Vidigal, Belford Roxo, Caxias e Nova Iguaçu.

O inverno da lata

Uma ação social do Sistema Unimed está transformando lacres de latinhas de alumínio em cadeiras de rodas. Este ano, as Unimeds que participaram da campanha “Eu Ajudo na Lata”, realizada pelo terceiro ano consecutivo, arrecadaram mais de 25 milhões desses lacres, possibilitando a compra de 67 cadeiras de rodas e outros itens. O material foi doado para instituições e pessoas com necessidades especiais.

As cadeiras de rodas e outros itens que proporcionam acessibilidade a pessoas com deficiência são adquiridas por meio do valor arrecadado com a venda de lacres de latinhas de alumínio, coletadas pelos colaboradores, cooperados, fornecedores, parceiros e comunidades das cooperativas que compõem o Sistema Unimed. Nas três edições da campanha, a arrecadação cresceu 68% em comparação ao ano anterior e 320% em relação ao primeiro ano.

Olhos bem abertos na floresta

A Coca-Cola Brasil, em parceria com a ONG Imaflora, está com os “Olhos na Floresta”, um programa de agricultura familiar que tem como objetivo promover a inclusão social, por meio da geração de renda, e preservar a cadeia de cultivo do guaraná na Amazônia. Até 2020 serão beneficiadas 350 famílias amazonenses que produzem o guaraná comprado pela empresa.

Os agricultores estão recebendo apoio técnico para adotar os Sistemas Agroflorestais (SAFs), modelo alternativo de produção que combina culturas agrícolas e espécies florestais em um mesmo espaço, transformando áreas degradadas em férteis. O guaraná do Amazonas também será certificado, com a adoção de controle e rastreabilidade ao longo de toda a cadeia, do plantio até o produto final.

Estão previstas ainda ações, em parceria com o Imaflora, de estímulo a formas de organização social, construção dos referenciais técnicos para agricultura familiar e do guaraná, em oficinas e workshops, práticas de manejo agroecológico e estímulo à preservação da biodiversidade, além da atuação para o desenvolvimento de uma cadeia de preço justo e transparente.

Para os agricultores, o programa aumenta a geração de renda ao diminuir a dependência de uma só cultura, fortalecendo sua permanência no campo. Isso porque, nas agroflorestas, o cultivo de plantas de diferentes características estimula a recuperação natural do bioma, preparando o ambiente para outras espécies, como bananeiras, palmeiras e árvores, num ciclo de vida que impacta diretamente a conservação do solo e de microbacias. Com o tempo, animais e microrganismos voltam a essas áreas, aumentando a diversidade de espécies. É a floresta do futuro.

© Revista Nós - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de textos e imagens sem prévia autorização.