Ir para o Topo

20 de agosto de 2017

Saúde financeira está na raiz da sustentabilidade

Gastar mais do que ganha, contrair dívidas impagáveis e ficar inadimplente são alguns sintomas evidentes de que a saúde financeira do indivíduo não está boa. Mas nesses casos não é só o bolso – a parte mais sensível do ser humano – que vai mal. É bom cuidar do coração. Sim, os problemas financeiros têm conexão direta com a saúde física, mental e psicológica dos endividados. Não são raros os casos de suicídios por conta de problemas financeiros, muitas vezes protagonizados por grandes empresários. Dados do Programa SulAmérica Saúde Ativa, focado no incentivo à saúde e ao bem-estar de segurados, mostraram que problemas com dinheiro são a segunda principal causa de dificuldade de concentração no trabalho, depois da falta de tempo, e que pessoas endividadas têm uma percepção de vida, saúde e produtividade pior do que a média.

Mas há cura para a doença do dinheiro ou da falta dele. A SulAmérica, que é uma das principais operadoras de planos de saúde no país, acredita que uma melhor relação com o dinheiro pode gerar impactos positivos na saúde e no bem-estar do indivíduo e adotou a bandeira da saúde financeira como um dos pilares da sua estratégia de responsabilidade social. Para Tomás Carmona, Superintendente de Sustentabilidade da companhia, o desenvolvimento sustentável da sociedade brasileira só será possível a partir da mudança de comportamentos individuais: “No âmbito financeiro, é necessário que as pessoas aprendam a gerenciar os limitados recursos privados e coletivos, para não somente atender às necessidades presentes, como também para suprir as futuras”.

Eleita a educação financeira como seu tema estratégico no campo da Responsabilidade Social, a SulAmérica estruturou uma série de iniciativas para promover a evolução do conhecimento do público interno sobre finanças pessoais. Desde a primeira edição, a seguradora é uma das empresas participantes da Semana Nacional de Saúde Financeira, que este ano ocorreu entre os dias 8 e 14 de maio. Direcionada para os colaboradores da matriz no Rio de Janeiro e da sede em São Paulo, com transmissão ao vivo para as filiais em todo o Brasil, a quarta edição da Semana na companhia contou com palestrantes renomados, como o economista-chefe da SulAmérica Investimentos, Newton Rosa, que apresentou o cenário econômico de 2017. Além disso, trouxe o superintendente de Relações com Clientes de Vida e Previdência da SulAmérica, Nélio Rapuano, para discussão sobre práticas saudáveis no planejamento financeiro, e o consultor João Audi, da plataforma Viver Bem SulAmérica, que falou sobre os cuidados na administração do dinheiro. Ao todo, as ações registraram 700 participações.

O lançamento, este ano, do Programa de Saúde Financeira, voltado aos funcionários e seus familiares foi o passo adiante. “O objetivo do programa é a conscientização para a mudança comportamental. Uma relação mais equilibrada com o dinheiro é um fator estratégico tanto para a qualidade de vida do colaborador quanto para a sustentabilidade da companhia, com reflexos no mercado segurador como um todo”, afirma a diretora de Capital Humano e Sustentabilidade da SulAmérica, Patrícia Coimbra.

Os funcionários da empresa já tinham acesso, desde 2015, a um curso online de Gestão Financeira Pessoal, por meio do Portal UniverSAS, universidade corporativa criada pela SulAmérica para capacitação de colaboradores. O treinamento apresenta noções básicas de finanças pessoais e os benefícios de fazer um planejamento financeiro. Além disso, esclarece o que são produtos financeiros e como lidar com eles no dia a dia, oferecendo alternativas para a recuperação orçamentária em caso de endividamento.

Entre as iniciativas de educação financeira está também a Estratégia Nacional de Educação Financeira (ENEF), estabelecida como política federal em 2010 com o objetivo de mobilizar os diversos setores da sociedade em torno da promoção de ações de educação financeira. Uma das ações mais relevantes nesse sentido é a Semana Nacional de Educação Financeira, promovida desde 2014, durante a qual diversas instituições parceiras, incluindo a SulAmérica, oferecem atividades gratuitas, como palestras e workshops, sobre a importância do planejamento financeiro.

Maior seguradora independente do Brasil, a SulAmérica tem focado cada vez mais na inserção da sustentabilidade na sua estratégia de negócios, de modo que essa visão integrada permeie todas as decisões e todos os processos da empresa. “Entendemos que possuímos um papel fundamental no desenvolvimento sustentável da sociedade em que estamos inseridos, tanto dentro quanto fora de nossa organização. Esse compromisso da companhia é também de todos os 5 mil profissionais que nela atuam”, afirma a consultora de Sustentabilidade da companhia, Tainá Braga.

Órgãos de proteção de crédito calculam que cerca de 40% da população brasileira adulta esteja inadimplente. O aumento do desemprego e da inflação foi acompanhado pela piora de indicadores socioeconômicos e pela elevação do número de pessoas que não têm perspectiva de sair do endividamento. A última Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), desenvolvida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, mostrou que, embora o percentual de famílias inadimplentes tenha diminuído em 2017, aumentou o número de famílias que relataram não ter condições de pagar suas contas em atraso. “Fomentar o engajamento dos indivíduos no processo de aprendizado sobre o uso do dinheiro e de produtos financeiros no país é um caminho que permite avanços saudáveis para todos”, afirma o superintendente de Sustentabilidade, Tomás Carmona.

De acordo com o executivo, a educação financeira é a chave fundamental para empoderar os indivíduos, fazendo com que eles tomem decisões melhores, mais conscientes e bem informadas, favorecendo seu bem-estar e de todos à sua volta. “Isso não ocorre por meio do acesso facilitado que hoje temos a conteúdos e ferramentas que prometem ensinar a controlar um orçamento de forma eficiente. Ocorre, acima de tudo, a partir da motivação de cada um e do puro interesse em aprender”, acrescenta.

Uma pesquisa realizada pela Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), com o objetivo de medir as competências da população quando o assunto é finanças, colocou o Brasil na 27a posição, entre 30 países analisados. O baixo nível de conhecimento financeiro ao responder às questões levantadas pelo teste mostrou que a população brasileira tende a privilegiar atitudes de curto prazo quando tomam decisões sobre a utilização do próprio dinheiro, deixando de lado a segurança econômica em longo prazo.

“Apesar do esforço recente em disseminar a cultura da educação financeira para a população, ainda falta muito para uma mudança efetiva de comportamento. Nesse sentido, é papel de todos os agentes da sociedade que prezam pela sustentabilidade financeira contribuir com ações que promovam a aproximação do brasileiro com a temática das boas práticas de finanças pessoais”, aponta Patrícia Coimbra.

Dia da Cidadania

Anualmente, a SulAmérica promove no Rio de Janeiro e em São Paulo o Dia da Cidadania, evento social que oferece gratuitamente à população serviços de saúde e atividades de educação, cultura e lazer. Em 2016, os eventos registraram 79 organizações parceiras, mobilizaram 467 voluntários e proporcionaram 9.603 atendimentos gratuitos à população.

Em linha com o programa Sul

América Saúde Ativa, foram montadas tendas em ambas as edições para representar as cinco dimensões do bem-estar: saúde física, relações sociais, saúde financeira, participação na comunidade e propósito de vida. No Rio de Janeiro, a programação teve como destaque a temática de empregabilidade, oferecendo orientação profissional, financeira e de preparação para o mercado de trabalho, com dicas de edição de currículo e de comportamento em entrevistas de emprego.

A SulAmérica mantém ainda uma estratégia de investimento social com foco na geração de valor para a sociedade por meio do apoio a iniciativas que ampliem o acesso à saúde e ao bem-estar da população. Para isso, realiza anualmente um edital para projetos sociais que possam contribuir efetivamente para a melhoria da qualidade de vida das pessoas, especialmente dos mais necessitados.

Em 2017, foram escolhidas cinco organizações sem fins lucrativos para apoio no desenvolvimento de projetos relevantes na área da saúde: Fundação Banco de Olhos de Goiás (GO), Instituto do Câncer Infantil (RS), Instituto do Câncer do Ceará (CE), Associação Escola Louis Braille (RS) e Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD-SP), entidades selecionadas para receber o aporte de cerca de R$ 7 milhões via leis de incentivo fiscal.

Investimento Responsável

Fundada em 1895 na capital fluminense por Dom Joaquim Sanchez de Larragoiti, a SulAmérica é a maior seguradora independente do Brasil, com uma rede de mais de 30 mil corretores parceiros espalhados por todas as regiões do país. A companhia atende a mais de 7 milhões de clientes, de pessoas físicas a grandes empresas, nas suas várias linhas de seguros, como saúde e odontológico, automóveis e outros ramos elementares, vida, além de outros segmentos, como previdência privada, investimentos e capitalização.

Em 2007, a SulAmérica abriu capital na BM&FBovespa, numa operação que captou R$ 775 milhões com a negociação de 25 milhões de units. Desde então, a companhia integra o nível 2 de Práticas Diferenciadas de Governança Corporativa da Bolsa de Valores. Há oito anos consecutivos, integra a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da BM&FBovespa, que elege anualmente as empresas de capital aberto com melhores práticas corporativas, como eficiência econômica, equilíbrio ambiental, justiça social e governança corporativa das companhias.

A SulAmérica mantém um modelo de gestão de sustentabilidade dentro da organização, norteado pelo Comitê de Sustentabilidade, que se reporta diretamente ao Conselho de Administração, e por compromissos nacionais e internacionais assumidos publicamente. A companhia representa as seguradoras da América Latina no Comitê Global da Iniciativa Financeira do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP FI), é signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (ONU) e conselheira dos Princípios para Sustentabilidade em Seguros (PSI). Já a SulAmérica Investimentos, asset management da companhia, é signatária dos Princípios para o Investimento Responsável (PRI), iniciativa da ONU para estruturar um sistema financeiro global economicamente eficiente e sustentável.

Leia também

17 de setembro de 2019

ABA desenvolve competências socioemocionais em crianças em situação de vulnerabilidade social

Desde 2012, a Associação Beneficente dos Funcionários do Grupo Allianz Seguros (ABA) vem mudando a realidade da Comunidade Santa Rita, na Zona Leste de São Paulo, com um programa de atividades socioeducativas que ensina crianças e adolescentes a lidar com conflitos e emoções. Na Comunidade Santa Rita, na Zona Leste da capital paulista, as casas […]

3 de setembro de 2019

Multinacional americana IBM dedica 1,3 milhão de horas a trabalho voluntário

A gigante de tecnologia IBM lançou no Brasil, na semana passada, a IBM.org, plataforma que conecta funcionários ativos e aposentados a iniciativas de impacto social. O programa de voluntariado é apenas uma entre muitas iniciativas mantidas pela empresa para levar inovação, conhecimento e dedicação ao sucesso de organizações que constroem comunidades mais fortes em todo […]

19 de agosto de 2019

Projetos da FBB impactam a vida de 130 mil pessoas em todas as regiões do país em 2018

Ações apoiadas e desenvolvidas pela Fundação Banco do Brasil reforçam compromisso da instituição de valorizar vidas para transformar realidades; projetos socioambientais estão alinhados com os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável propostos pela Organização das Nações Unidas. A designer Luiana da Silva, moradora de uma favela no Rio de Janeiro, está fazendo cursos de capacitação em […]

© Revista Nós - Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial de textos e imagens sem prévia autorização.